Multidão recebe corpo de Elizabeth 2ª em Edimburgo após cortejo de seis horas

LONDRES, REINO UNIDO (FOLHAPRESS) - Milhares de pessoas saíram às ruas na Escócia para acompanhar a jornada final de Elizabeth 2ª neste domingo (11). O corpo saiu às 10h07 (6h07 de Brasília) do Castelo de Balmoral e chegou cerca de seis horas depois ao Palácio de Holyrood, residência oficial da família real em Edimburgo, a capital escocesa.

O caixão de carvalho seguiu no primeiro carro de uma caravana de sete veículos e passou por cidades como Aberdeen, Dundee e Perth, em uma viagem de 280 km. No trajeto, o cortejo fez paradas para que mais pessoas pudessem se despedir da monarca. Uma multidão aplaudiu a chegada do corpo a Edimburgo.

O caixão da rainha estava coberto com a bandeira real, que traz um leão vermelho sobre fundo amarelo, uma harpa amarelo sobre fundo azul e outros leões amarelos em fundo vermelho. Uma coroa de flores brancas, cortadas dos jardins do castelo, descansava sobre o caixão.

O corpo da rainha ficará em Holyrood até a tarde desta segunda (12), quando será levado à Catedral de St Giles. Lá, os onde os escoceses poderão fazer fila para vê-lo. Na terça, segue de avião para Londres.

A partir de quarta-feira (14), o caixão de carvalho estará no palácio de Westminster, sede do Parlamento britânico, onde fica o famoso relógio Big Ben. Ele ficará exposto para visita pública ali durante quatro dias em que os londrinos poderão entrar e render suas últimas homenagens.

Na manhã do dia 19, ele será levado à Abadia de Westminster para o funeral, que será televisionado. Dois minutos de silêncio em todo o Reino Unido serão decretados. Em seguida, Elizabeth 2ª será enterrada no Castelo de Windsor, a oeste de Londres.

Símbolo da monarquia, Elizabeth 2ª ocupou o trono por sete décadas e morreu serenamente, segundo o comunicado oficial, na quinta-feira (8). A morte deu início a uma série de protocolos e cerimônias oficiais, no Reino Unido e em Estados associados a ele.

Na manhã deste sábado, Charles 3º, 73, foi proclamado rei em cerimônia no palácio de Saint James, em Londres. Monarca mais velho a assumir o trono britânico na história, ele deve fazer de seu reinado um período de transição entre o da mãe, venerada pela dedicação ao serviço público, e o do filho William, 40, visto como a modernização da realeza.

Proclamações similares à de sábado continuam sendo feitas neste domingo. Em Edimburgo, a capital da Escócia, o rei Charles 3º foi proclamado em cerimônia com trompetistas e tiros de canhão. Próximo do local houve um protesto antimonarquista, e pelo menos uma manifestante foi detida pela polícia.

Cerimônias também ocorreram em Belfast, na Irlanda do Norte, e em Cardiff, no País de Gales. Além dos países do Reino Unido, Nova Zelândia, Austrália e Canadá também realizaram celebrações para proclamar Charles 3º rei.

O monarca cumpre agenda oficial em Londres neste domingo. Ao chegar no Palácio de Buckingham, Charles acenou para multidão que se reúne em frente ao local.

A oeste de Londres, nos arredores do Castelo de Windsor, William e Harry prestaram homenagens à rainha neste sábado. Eles estavam acompanhados das esposas -Kate e Meghan- numa reunião que não era vista há pelo menos dois anos.

Os dois príncipes estariam com a relação estremecida desde o afastamento do caçula. Harry hoje vive nos EUA e, no ano passado, deu uma arrasadora entrevista com a mulher, em que Meghan fez acusações de racismo na realeza. Parte da imprensa viu no encontro deste sábado uma possibilidade de reaproximação.

O príncipe William, agora primeiro na linha sucessória do trono, emitiu nota dizendo que pretende honrar a memória da avó apoiando o pai, o rei, "de todas as formas possíveis".

VEJA CERIMÔNIAS DOS PRÓXIMOS DIAS

DOMINGO (11)

6h (de Brasília): O caixão com o corpo da rainha Elizabeth 2ª foi transportado do Castelo de Balmoral, na Escócia, para Edimburgo, a capital do país. A viagem, de carro, durou aproximadamente seis horas. Lá, o caixão foi levado ao Palácio de Holyrood, residência oficial da família real.

SEGUNDA-FEIRA (12)

O corpo da rainha será levado em procissão até à Catedral de St Giles, também em Edimburgo. Haverá uma cerimônia no local, e o caixão deve ficar exposto ao público durante 24 horas.

TERÇA-FEIRA (13)

a partir das 13h (de Brasília): Um carro funerário levará o caixão ao aeroporto de Edimburgo. De lá, será transportado em um voo de 55 minutos para Londres. Guardas de honra saudarão a partida da Escócia e a chegada à Inglaterra.

Na capital inglesa, o corpo da rainha será levado ao Palácio de Buckingham, onde haverá orações com a presença de membros da família real.

QUARTA-FEIRA (14)

A Coroa Imperial do Estado, um dos maiores símbolos da monarquia britânica, e uma coroa de flores serão colocadas sobre o caixão.

10h22 (de Brasília): Uma procissão com membros da família real levará o caixão do Palácio de Buckingham ao Palácio de Westminster, sede do Parlamento.

11h (de Brasília): O caixão deve chegar a Westminster, onde será recebido pelo arcebispo de Canterbury, Justin Welby. O local será aberto ao público para visita durante cinco dias, mas não se sabem detalhes de quando isso começa.

SEGUNDA (19)

O caixão com o corpo da rainha será transportado do Palácio de Westminster até a abadia, onde acontecerá o funeral. O trajeto a pé será acompanhado por membros da família real. Após o serviço, a rainha será enterrada no Castelo de Windsor, a oeste de Londres.