Mundial de natação: 2º dia tem medalha de prata e mulheres fazendo história para o Brasil; veja resumo

No segundo dia da natação no Mundial de Esportes Aquáticos, em Budapeste, na Hungria, o Brasil manteve o aproveitamento da estreia. Mais uma vez, foi representado no pódio e ainda garantiu mais uma presença em finais, numa classificação que representa outro feito inédito para as mulheres.

O pódio foi a prata de Nicholas Santos, nos 50m borboleta. Aos 42 anos, o brasileiro cruzou a piscina da Duna Arena em 22s78. Foi a quarta vez consecutiva que ele termina entre os três primeiros na prova. Um feito que atualiza o recorde (dele mesmo) de nadador mais velho a conquistar uma medalha na competição.

O ouro ficou com Calleb Dressel, que já era o favorito para a disputa. Com isso, o americano já soma dois ouros no Mundial de Budapeste (o primeiro foi no revezamento 4x100m livre). E a expectativa é de que esta coleção cresça muito mais. Seu compatriota Michael Andrew completou o pódio, com 22s79, apenas um centésimo acima de Nicholas.

No feminino, os destaques do Brasil foram Beatriz Dizotti e Viviane Jungblut. As duas se classificaram para a final dos 1.500m livre, com, respectivamente, o sexto (16m08s35) e o sétimo (16m09s27) melhores tempos. É a primeira vez que a natação feminina nacional emplaca duas finalistas numa mesma prova. Elas pulam na piscina para brigar pela medalha nesta segunda.

Havia grande expectativa também de que Fernando Scheffer fosse disputar uma medalha nesta segunda. Mas o brasileiro não conseguiu ficar entre os oito mais rápidos nas semifinais dos 200m livre e ficou fora da final. Atual medalhista olímpico de bronze da prova, ele fez o nono tempo (1m46s71) das semifinais.

Mas a disputa mais aguardada do dia na Duna Arena não foi nenhuma dessas. Mas, sim, a final dos 200m medley feminino, que contou com a presença da húngara Katinka Hosszu. Ídolo nacional, a "Dama de ferro" é tetracampeã da prova e dona do recorde mundial. Mas desta vez não conseguiu chegar perto do pódio. Terminou em sétimo e viu o pódio ser ocupado pela americana Alex Walsh (ouro, com 2m07s13), pela australiana Kaylee Mckeown (prata, com 2m08s57) e pela também americana Leah Hayes (bronze, com 2m08s91).

O que vem por aí

Além da final dos 1.500m livre com Beatriz Dizotti e Viviane Jungblut, o Brasil cai na piscina em mais quatro provas eliminatórias na segunda-feira. No feminino: 200m livre (Stephani Balduccini). No masculino: 50m peito (João Gomes Junior e Felipe França), 200m borboleta (Leonardo de Deus e Matheus Gonche) e 800m livre (Guilherme Costa, que já conquistou o bronze nos 400m livre neste Mundial).

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos