Mundial de surfe: Brasil garante título com final entre Medina e Toledo, e Weston-Webb iguala melhor participação feminina

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 minuto de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

O Brasil garantiu o título do Circuito Mundial de Surfe, organizado pela WSL (Liga Mundial de Surfe), entre os homens. Resta apenas saber quem ficará com o troféu. Isso porque a final será entre Gabriel Medina e Filipe Toledo, que se enfrentarão em Trestles, nos Estados Unidos. Outro postulante, Italo Ferreira ficou pelo caminho.

O título brasileiro, na verdade, foi garantido nas quartas de final, após Filipe Toledo vencer o norte-americano Conner Coffin. Com isso, foi garantido que apenas brasileiros estariam vivos na disputa pelo título. Na semifinal, ela venceu o campeão mundial e olímpico Italo Ferreira por 15.97 a 12.44.

"Me sinto bem demais! Ter tantos brasileiros e a minha família comigo. Essa felicidade é transmitida para o meu surfe. Eu tive muita sorte e fui abençoado por ter a chance de pegar aquela última onda", declarou Filipe Toledo.

Com o título garantido em 2021, a Brazilian Storm somará cinco conquistas no circuito. O primeiro veio com Gabriel Medina, em 2014. Adriano de Souza, o Mineirinho, levou a taça logo no ano seguinte, em 2015. Já em 2018, Medina faturou o bicampeonato, seguido de Italo Ferreira ficando com o troféu em 2019.

O havaiano John John Florence foi o único a desbancar o time brasileiro nos últimos anos, com as conquistas em 2016 e 2017.

Tatiana Weston-Webb também está fazendo história no WSL Finals e pode se tornar a primeira brasileira a conquistar um título feminino. Ela emplacou boas manobras, foi construindo a vitória aos poucos e vai disputar o título contra a havaiana Carissa Moore. A bateria está prevista para 15h45.

Tati venceu a australiana Sally Fitzgibbons por 13,17 x 11,73 nas semifinais. Na decisão, irá enfrentar Morre, que é tetracampeã mundial e medalhista de ouro em Tóquio. O Brasil já teve três representantes vice-campeãs do Circuito Mundial, barreira esta que Tatiana tenta superar.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos