Mundo não pode recuar no combate à Covid agora, diz autoridade da OMS

Conselheiro sênior da OMS Bruce Aylward durante coletiva de imprensa, em Genebra, Suiça

Por Jennifer Rigby

LONDRES (Reuters) - Se os países ricos acham que a pandemia acabou, deveriam ajudar os países de baixa renda a chegar a esse ponto também, disse à Reuters uma autoridade de alto escalão da Organização Mundial da Saúde.

Em uma entrevista, o conselheiro sênior da OMS Bruce Aylward alertou que as nações mais ricas não podem recuar no enfrentamento à Covid-19 como um problema global agora, antes de potenciais futuras ondas de infecção.

Nas últimas semanas, o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, disse que o fim da pandemia estava à vista, e o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, afirmou que a pandemia acabou.

"Quando eu os ouço dizer: 'Bem, estamos tão confortáveis ​​aqui', é como, 'Ótimo, agora você pode realmente nos ajudar com o resto do mundo'", afirmou.

Aylward afirmou que o grupo que ele coordena, que se concentra no acesso equitativo a vacinas, tratamentos e testes da Covid-19 em todo o mundo, ainda não está pronto para sair da fase de emergência de enfrentamento da pandemia e que os países precisam estar preparados e ter tratamentos em vigor para quaisquer novas ondas de infecção.

"Se você for dormir agora e essa onda nos atingir em três meses... Deus - sangue em suas mãos", disse.

Ele também enfatizou que Biden tem um argumento, já que os Estados Unidos têm bom acesso a todas as ferramentas da Covid. Também não cortou seu compromisso global de combater a Covid, acrescentou.

Aylward coordena o ACT-Accelerator, uma parceria entre a OMS e outros órgãos globais de saúde para ajudar os países mais pobres a acessar as ferramentas da Covid-19.

Nos próximos seis meses, a parceria visará principalmente fornecer vacinas para cerca de um quarto dos profissionais de saúde e idosos do mundo que ainda não foram vacinados, bem como melhorar o acesso a testes e tratamento, disse ele.

Também olhará para o futuro, pois a Covid "veio para ficar" e, a menos que os sistemas sejam implementados, o apoio entrará em colapso quando outras nações industrializadas também pensarem que a pandemia acabou, disse Aylward.

(Reportagem de Jennifer Rigby)