Mundo político condena atentado contra Jair Bolsonaro

Ibovespa dispara após ataque sofrido por Jair Bolsonaro

O atentado sofrido pelo candidato à presidência, Jair Bolsonaro (PSL), em Juiz de Fora (MG) repercutiu entre os envolvidos na corrida eleitoral. O primeiro a se pronunciar foi Ciro Gomes (PDT). “Acabo de ser informado em Caruaru, Pernambuco, onde estou, que o Deputado Jair Bolsonaro sofreu um ferimento a faca. Repudio a violência como linguagem politica, solidarizo-me com meu opositor e exijo que as autoridades identifiquem e punam o ou os responsáveis por esta barbárie”, escreveu em seu perfil no Twitter.

Quem também lamentou prontamente o ocorrido, o candidato do Novo, João Amoêdo. “É lamentável e inaceitável o que aconteceu com o Jair Bolsonaro. Independentemente de divergências políticas, não é possível aceitar nenhum ato de violência. Que o agressor sofra as devidas punições. Meus votos de melhoras para o candidato”, escreveu.

“Repudio todo e qualquer ato de violência. Por isso, a violência nunca deve ser estimulada”, disse Alvaro Dias (Podemos).

Candidato a governador por São Paulo pelo PSDB, João Doria também emitiu nota: “Transmito a minha solidariedade ao deputado Jair Bolsonaro e aos seus familiares. Eleição não se faz com agressão. A covardia de um ato que agride um candidato deve ser condenada com veemência”. 

Rival tucano de Bolsonaro na corrida presidencial, Geraldo Alckmin também se manifestou. “Política se faz com diálogo e convencimento. Jamais com ódio. Qualquer ato de violência é deplorável. Esperamos que a investigação sobre o ataque ao deputado Jair Bolsonaro seja rápida, e a punição, exemplar. Esperamos que o candidato se recupere rapidamente”.

 

 

Vice da chapa de Lula, Fernando Haddad repudiou qualquer forma de violência. “Repudio totalmente qualquer ato de violência e desejo pronto restabelecimento a Jair Bolsonaro.”

Marina Silva fez questão de ressaltar que a violência é algo inadmissível na política. “A violência contra o candidato Jair Bolsonaro é inadmissível e configura um duplo atentado contra a democracia. Nesse momento difícil que se atravessa no Brasil, é preciso zelar com rigor pela defesa da vida humana e pela defesa da vida democrática e institucional do nosso país. Este atentado deve ser investigado e punido com todo rigor. A sociedade deve refutar energicamente qualquer uso da violência como manifestação política”.

O candidato do PSOL, Guilherme Boulos lamentou o ocorrido. “Soube agora do que ocorreu com Bolsonaro em Minas. A violência não se justifica, não pode tomar o lugar do debate político. Repudiamos toda e qualquer ação de ódio e cobramos investigação sobre o fato”, escreveu no Twitter. 

Soube agora do que ocorreu com Bolsonaro em Minas. A violência não se justifica, não pode tomar o lugar do debate político. Repudiamos toda e qualquer ação de ódio e cobramos investigação sobre o fato.

O presidente Michel Temer fez um pronunciamento duro sobre o incidente: ”Isto revela algo que nós devemos nos conscientizar porque é intolerável exatamente a intolerância que tem havido na sociedade brasileira. É intolerável que as pessoas falseiem dados durante campanha eleitoral. É intolerável que, nós vivemos num estado democrático de direito que não haja possibilidade de uma campanha tranquila. De uma campanha em que as pessoas vão e apresentem os seus projetos, porque ninguém vota em candidato. Esse é o grande equívoco, votar em candidato é coisa de cultura atrasada, você tem que votar em projetos. E para votar em projetos, o candidato precisa circular pelo país. Relato este fato apenas para não deixar passar em branco este episódio triste, convenhamos, lamentável para a nossa democracia, mas que ele sirva de exemplo, e se Deus quiser o candidato Bolsonaro passará bem, temos certeza que não haverá nada mais grave, esperamos que não haja nada mais grave.”