Mundo Verde não confirma origem de ficha de inscrição com questão política que circulou na internet

·1 minuto de leitura
***ARQUIVO***BRASILIA, DF, 30.06.2021 - O empresário Carlos Wizard é ouvido pelos senadores na CPI do Covid, em Brasília. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
***ARQUIVO***BRASILIA, DF, 30.06.2021 - O empresário Carlos Wizard é ouvido pelos senadores na CPI do Covid, em Brasília. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Após circular nas redes sociais nos últimos dias imagens de uma ficha de inscrição de vaga de trabalho com questões sobre preferência política atribuída à rede de franquias Mundo Verde, a empresa diz que vai reforçar as orientações que dá aos franqueados sobre o assunto.

O formulário que circulou na internet traz perguntas sobre a orientação política do candidato, se de direita, esquerda ou centro.

Procurada pela reportagem, a Mundo Verde diz que "não pratica e repudia qualquer ato de discriminação, bem como não faz qualquer tipo de pergunta de cunho pessoal em seus processos seletivos". A empresa afirma que tem treinamentos e manuais para que seus franqueados sigam boas práticas na condução de seus processos seletivos.

A Mundo Verde é uma das empresas que tem como sócio o bilionário Carlos Wizard, apoiador do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) que teve o nome envolvido na CPI da Covid.

Além do questionamento sobre política, a ficha de inscrição que circulou na internet também fazia perguntas sobre a religião do candidato, além da intenção de ter filhos e em qual período —em menos ou mais de seis meses.

A rede diz que não tem informações que identifiquem a origem do caso postado na internet e desconhece esse tipo de abordagem entre as franquias, mas vai reforçar as suas orientações.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos