Muricy releva polêmicas de Neymar no PSG: 'Não tem nada de mascarado'

Muricy Ramalho durante o programa Mesa Redonda, da TV Gazeta, em 2016. Foto: Marcelo Ferrelli/Gazeta Press

Por Sandro Biaggi

A mensagem no WhatsApp de Muricy Ramalho é uma lembrança dos anos de técnico.

“At work.”

É um dos avisos padrão do aplicativo, mas é inevitável lembrar da frase “aqui é trabalho, meu filho” que virou sua marca registrada durante o tricampeonato brasileiro do São Paulo (2006 a 2008) e foi até usada em produtos de marketing. Esses tempos de técnico sempre estressado e vencedor estão no passado. Mas viver no mundo do futebol, não.

Para o treinador que também venceu um Brasileiro pelo Fluminense (2010) e depois foi campeão da Libertadores com o Santos em 2011, a vida hoje é de comentarista dos canais SporTV. É assim que assistirá à Copa do Mundo deste ano na Rússia.

Você já viu o novo app do Yahoo Esportes? Baixe agora!

Descontente com as críticas feitas a Neymar, ele defende o principal jogador brasileiro e vê o Brasil com “uma força muito grande” no torneio que pode mudar a percepção de como o torcedor do país enxerga o futebol local.

Como o comentarista Muricy Ramalho vê a seleção brasileira antes da Copa?
Vejo em excelente fase. O trabalho do Tite é excelente e o Brasil chega à Copa como um dos favoritos junto com aqueles times de sempre, né? Alemanha, Argentina, Espanha… Copa do Mundo é sempre aqueles porque é um campeonato difícil. Pesa muito a tradição, a camisa. Sempre foi assim. Se o Neymar estiver 100% recuperado, a força do Brasil será muito grande.

Se você fosse o técnico, reforçaria a questão de reabilitar a seleção quatro anos depois do 7 a 1?
O técnico é o Tite e ele sabe o que é melhor para a seleção. Ninguém vai entrar em campo pensando nisso, que perdeu por 7 a 1 em 2014. Isso pesa mais para a imprensa. Os jogadores não ficam na concentração falando sobre esse assunto. Eles querem ganhar em 2018.

Parece que o mais importante jogador da seleção vive uma série de problemas justamente pouco antes da Copa. Como vê os problemas do Neymar, essas acusações de que ele é egoísta, arrogante…?
Tudo isso é um desgaste desnecessário para o garoto e poderia ser evitado. Eu trabalhei com ele no Santos por quase dois anos. Ele não tem nada de mascarado. Zero. Ao contrário, é um menino muito humilde, que trata todo mundo bem e nos treinos, é o mais aplicado de todos no elenco. E é um talento excepcional. Quem fala que o Neymar é egoísta não o conhece.

Esses comentários de problemas no PSG desgastaram? Começou com aquele negócio de quem bateria pênalti, ele ou o Cavani…
Ali faltou pulso do técnico, pô! É o treinador quem decide isso. Ele (Unai Emery) é o comandante. Não tem que os jogadores ficarem discutindo dentro de campo. Aquilo criou uma repercussão muito maior do que era necessário por culpa dele.

Você já disse no passado que tem certeza que o Neymar será o melhor jogador do mundo. Mantém isso?
Vai ser. Ele é jovem, pode esperar. Problema é que a gente quer tudo do Neymar hoje. Ele ainda tem apenas 26 anos. Está chegando no auge. Ele vai ser o melhor jogador do mundo.

Neymar brinca durante aniversário de Muricy Ramalho em 2012, no Santos. Foto: Gazeta Press

A Copa do Mundo e a vitória da seleção brasileira podem restabelecer um pouco da auto-estima do torcedor brasileiro com o futebol nacional? É muito comum dizer que o Campeonato Brasileiro é ruim, que os técnicos brasileiros estão ultrapassados…
É que é muito fácil falar mal do futebol brasileiro e dos técnicos brasileiros. Ninguém cita as dificuldades que eles enfrentam. Por isso que treinador estrangeiro vem aqui e tem problema para acertar. Não é fácil. Eu acho que tem de dar chance ao estrangeiro do mesmo jeito que o brasileiro tem de receber oportunidade no exterior.

E você pode voltar a ser treinador no futuro ou vai continuar comentando na TV?
Não pensava em ser comentarista. Aconteceu o convite a aceitei. Estou bem no SporTV, sou muito bem tratado por todo mundo. Eu estou sempre disposto a ajudar o futebol brasileiro em qualquer situação. Mas não como treinador. Talvez como dirigente no futuro. Treinador é difícil…

Não dá para não perguntar sobre a situação do São Paulo, o clube onde você foi campeão tantas vezes. Como vê a situação do clube hoje?
Precisa ter estabilidade. Não adianta ficar trocando, trocando e trocando o técnico. Isso não leva a lugar nenhum. Futebol não é desse jeito que você troca tudo de uma hora para a outra e vai dar certo.