Muro contra sanções e salário em dólar, as promessas milagrosas da campanha na Venezuela

Margioni BERMÚDEZ
·3 minuto de leitura
Mulher participa de simulação realizada em Caracas para as eleições legislativas, em 15 de novembro de 2020

Acabar com a pobreza, salários em dólar, pôr fim ao caos no serviço público, ou deixar as sanções americanas para trás: um mar de promessas quase milagrosas surgiu na campanha para as eleições legislativas na Venezuela, neste domingo (6).

O processo ocorre em um país castigado por uma inflação fora de controle, por filas intermináveis para colocar gasolina - salvo em Caracas -, por cortes de energia extenuantes e por falhas no abastecimento de água e gás.

"Se você quiser que recuperemos a economia, se quiser que recuperemos o país, que recuperemos os salários, que recuperemos tudo, tem que sair e votar", lançou o presidente Nicolás Maduro, em um de seus apelos à participação nas urnas.

Com os principais partidos da oposição marginalizados de uma disputa que consideram uma "fraude", o chavismo ativou toda sua máquina para o que descreve como uma disputa "histórica".

"Temos 12 leis já propostas por vocês por meio de milhares e milhares de mensagens que chegaram até nós", disse Jorge Rodríguez, o poderoso líder do Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV), da situação, a um mar de pessoas, ao oferecer leis "que defendem a família venezuelana".

Rodríguez convidou a militância chavista a se mobilizar "aos milhões", em 6 de dezembro, "para dizer 'parem com as sanções! Parem com o bloqueio! Respeitem a Venezuela!'".

Contornar as sanções dos EUA, que incluem um embargo ao petróleo em vigor desde abril de 2019, é o cerne do discurso oficial durante esta campanha. Outra promessa popular na base é punir "terroristas" e "traidores", incluindo o líder da oposição Juan Guaidó.

Na oposição dissidente, que participa das eleições, fala-se em reconciliação e em acordos com os Estados Unidos para flexibilizar as sanções, assim como de ancorar os pulverizados salários ao dólar, como propõe o pastor evangélico Javier Bertucci. Ele disputa uma das 277 cadeiras do novo Parlamento.

O futuro dessas promessas é incerto, mas especialistas antecipam que o chavismo terá o controle majoritário da nova legislatura.

- Dano à democracia -

As promessas de mudança de regime continuam a chegar sdo lado de Juan Guaidó, que incentiva uma consulta à margem do órgão eleitoral, entre 7 e 12 de dezembro. Este processo lembra uma convocação similar em julho de 2017.

"Um dos nossos pilares na estratégia para conseguir mudanças na Venezuela é exercer a maioria e, para isso, é a consulta popular", disse o líder da oposição reconhecido como presidente interino pelos Estados Unidos e mais cerca de 50 países.

Na prática, Guaidó não exerce funções de Estado.

O analista Félix Séijas explica que as promessas "respondem à tentativa de ativar" a população. "O chavismo, sobretudo, sabe que tem um teto eleitoral de aproximadamente 5,5 milhões de votos. Sua preocupação é como fazê-los ir votar nesse dia", completou.

Para despertar o entusiasmo do eleitorado, "vamos ouvir de tudo", completou.

E não é que as promessas eleitorais na Venezuela sejam algo novo, como observa Benigno Alarcón, diretor do Centro de Estudos Políticos e Governamentais da Universidade Católica Andrés Bello, de Caracas.

O problema, segundo ele, é que "a demagogia causa um dano tremendo à democracia".

mbj/jt/rsr/lda/tt