Musa trans da Grande Rio revive carnavais em que topless era moda e mostra os seios: 'Até porque foram bem caros'

·1 min de leitura

Foi-se o tempo em que o topless era quase um adereço na Sapucaí. Famosas como Monique Evans e Enoli Lara cansaram de mostrar os seios na Avenida sem que fosse um tabu. Atualmente, os seios estão cada vez mais tapados. Não para Kelly Werneck.

A musa trans da Grande Rio vai desfilar com suas próteses de silicone sem escondê-las.

"Até porque foram bem caros. Vou desfilar do jeito que eu gosto, livre", comemora ela, que representa todas as pomba-giras da Lapa, bairro boêmio do Rio: "Uma forma de homenagear também todas as trans e travestis".

Há três anos, Kelly fez a cirurgia para implantar os seios de silicone.

"Foi a última coisa que fiz nessa transição. Não pretendo fazer a redesignaçao de sexo", disse Kelly, que está na escola desde os 8 anos: "Me viram um garotinho e hoje sou musa que abre o desfile".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos