Museu do Amanhã recebe público para festa da virada de ano

A emblemática estrutura do Museu do Amanhã, na Praça Mauá ganhou uma iluminação com direito a contagem regressiva para o ano de 2023. A queima de fogos exclusiva aguardada à meia- noite não aconteceu, mesmo assim os presentes não deixaram de se abraçar, beijar e comemorar o Réveillon.

Jogos de luzes, uma estrutura de metal com balões brancos, palco com a Baía de Guanabara ao fundo, tendas montadas e comida e bebida liberadas para o público pagante. Ingressos que chegavam a custar R$ 1.990 neste sábado com lote extra.

O evento White Rooftop marca a primeira edição do Réveillon do Museu do Amanhã. Entre as atrações musicais, Fica Comigo, DJs Just Mike e Ric Rulie, Ralk, Allegria Takeover (do Camarote de Carnaval Allegria) e show de John Failly, Marie Bouret & LiveSax.

— Buscava uma noite diferente, exclusiva e sofisticada. Está tudo maravilhoso, mas me decepcionei porque estava aguardando a queima de fogos. Por sorte, o Museu do Amanhã tem uma localização privilegiada que permitiu ver alguns fogos de outros prontos da cidade — disse a fisioterapeuta Claudia Benchimol.

Um dos sócios do evento, Leonardo Marchezini Fumagalli, explicou que sua agência de São Paulo tem um contrato de curadoria para eventos no Museu do Amanhã. No último dia 29, o local recebeu uma festa de música eletrônica, foi quando o grupo pensou também em um Réveillon especial:

— Este lugar é incrível! Foi a primeira edição e a expectativa é repetir nas próximas viradas. O público hoje chegou a quatro mil pessoas e nos diferenciamos por ter um ano-novo com uma capacidade de público tão alta— avalia.

O sócio também explica que por ser um museu, existem muitas limitações.

—Todo o layout da festa é diferente. O piso fica em cima do espelho d’água. Temos que fazer muitas adequações. Esbarramos na questão da legalização dos fogos, teríamos que ter uma balsa ou um espaço próximo daqui para soltar os fogos. Foi uma questão de segurança — afirmou.