Museu Britânico tem pico de visitas online na crise do coronavírus

ANA ESTELA DE SOUSA PINTO

BRUXELAS, BÉLGICA (FOLHAPRESS) - Quarentenas e isolamentos impostos em vários países do mundo fizeram praticamente dobrar o número de visitantes ao site do Museu Britânico, de 473 mil para 979 mil entre os dias 1º e 18 de março.

O principal pico aconteceu nos últimos sete dias, segundo a instituição, e o maior número de cliques vem da Itália: 203 mil visitantes virtuais.

Da Espanha, também em quarentena, foram 112 mil. No Reino Unido, que ainda não proibiu a livre circulação de pessoas, mas fechou todos os museus, o número de visitantes foi de 176 mil.

Os temas mais procurados foram Egito, visita virtual, bronzes do Benin, pedra da roseta (fragmento que permitiu decifrar os hieroglifos), netsukes (pequenos objetos de decoração japoneses), xadrez de Lewis (peças do jogo encontradas na Escócia) e vasos de Exekias (artista que viveu em Atenas no século 6 aC).