Após boicote, Ludmilla celebra impacto no Prêmio Multishow: "Gratidão"

Ludmilla está indicada a seis categorias do Prêmio Multishow (foto: Divulgação)
Ludmilla está indicada a seis categorias do Prêmio Multishow (foto: Divulgação)

Resumo da Notícia:

  • Ludmilla foi o agente de mudança do Prêmio Multishow após posicionamento em 2021

  • A artista é a cantora negra mais ouvida da América Latina com 3 bilhões de plays

  • Em 2022 a cantora mudou a forma do evento ver a música e recebeu 6 indicações

Ludmilla vêm construindo uma história de glórias e lutas nos últimos 10 anos e tem certeza que em 2022 deu um dos passos mais importantes. Após anunciar um boicote e um posicionamento contra as regras de seleção do Prêmio Multishow de 2021, a artista comemorou as mudanças anunciadas pela premiação para 2022, que incluiu mais artistas negros e de gêneros diversos.

Em conversa exclusiva com o Yahoo, ela avaliou como sua posição enfática no último ano ajudou a promover mudanças reais na indústria musical do país. "Vejo com um misto de sentimentos: tem gratidão pela equipe do canal ter ouvido o que eu tinha para dizer; tem orgulho por eu ter me posicionado e, hoje, estar diante de um cenário totalmente diferente, que o canal se esforçou para mudar", aponta.

A artista também ressaltou a importância de prêmios de música estarem atentos ao que é produzido, além do que desponta nas plataformas de streaming. "Tem também muita vontade de ver essa roda girar de uma nova forma, fazendo com que todos entendam que o movimento é constante, que é preciso sempre estar atento ao cenário musical, às tendências para não deixar ninguém de fora”, completa.

Para 2022, Ludmilla recebeu seis indicações ao Prêmio Multishow: Melhor Música ("Maldivas), com a canção que ela fez para sua esposa, a dançarina Brunna Gonçalves; Melhor Álbum ("Numanice 2); Melhor Artista, Melhor Voz do Ano, Melhor Show e Hit do Ano ("Maldivas").

Além das mudanças para a indicação de artistas, a premiação também deixou de premiar por gênero. A partir de agora, todos concorrem a categorias plurais.

Relembre o boicote

Em 2021, Ludmilla publicou uma thread no Twitter para explicar o motivo de cancelar sua participação no prêmio após não ser indicada à categoria "Cantora do Ano" mesmo com numerosas realizações na indústria ao longo daquele ano. Ela estava indicada apenas a "Hit do Ano" e"Clipe TVZ do Ano" com "Rainha de Favela".

"Sou a primeira cantora negra da América Latina a acumular 1 bilhão de streams só no Spotify, hoje são mais de 1.5 bilhão de plays nas plataformas. Meus clipes somam 2.5 bilhões de views, Rainha da Favela ficou meses entre as músicas mais tocadas. São os números que falam!", ressaltou à época.

E completou: "Só esse ano lancei o Numanice ao vivo, projeto que impactou a cultura brasileira e revolucionou o mercado do pagode de um jeito jamais visto, por ser uma mulher à frente do projeto, projeto que garantiu o vídeo musical solo mais visto de 2021 por uma cantora pop brasileira. "Deixa de Onda", "Pra Te Machucar", "Gato Siamês", "Apê 1001", o "Lud Session" então nem se fala, tá na boca do povo. Desde quando ganhei a primeira vez e impactei todo o sistema por ser a primeira cantora negra a ser indicada e a vencer essa categoria em 26 anos de prêmio…", criticou.

Após a repercussão das declarações da artista, o canal entrou propôs que ela colaborasse com as próximas edições para ajudar promover mudanças. A iniciativa foi anunciada por Ludmilla também nas redes sociais.

“Vamos conversar para, juntos, colocarmos em prática mudanças gerais que envolvam não só o coletivo quanto o compromisso de estar sempre em atualização para atender a novos requisitos do mercado fonográfico. Já fui muito desmerecida e ignorada, principalmente por ter vindo de onde vim e por ser quem eu sou, então quero contribuir para que o mercado da música seja mais justo e inclusivo”, disse a cantora ao explicar a situação. Como se vê na lista de indicados deste ano, as conversas começaram a surtir efeito.