Musk deve demitir 25% dos funcionários, dissolve Conselho e se nomeia único diretor do Twitter

O bilionário Elon Musk deve demitir 25% dos funcionários do Twitter na primeira rodada de demissões na plataforma, informou o jornal The Washington Post citando uma fonte familiarizada com o assunto. O homem mais rico do mundo concluiu o processo de aquisição do Twitter na semana passada.

Alerta da UE ao Twitter: 'O pássaro terá que voar sob nossas regras'

Ficou perdido? Entenda as idas e vindas da compra do Twitter pelo homem mais rico do mundo

O advogado de celebridades Alex Spiro, representante legal de Musk há anos, esteve à frente das conversas sobre os cortes de empregos, segundo a reportagem. No fim de 2021, o Twitter tinha mais de 7.000 funcionários, de acordo com um documento regulatório. Sendo assim, a primeira rodada de cortes pode envolver quase 2.000 funcionários.

Na segunda-feira, Musk dissolveu o Conselho de Administração da empresa e se nomeou como o único diretor da companhia. Em comunicado enviado à SEC, órgão regulador do mercado americano, equivalente à Comissão de Valores Mobiliários no Brasil, a empresa informou que os nove membros do colegiado não fazem mais parte da companhia após a finalização da venda de US$ 44 bilhões.

Sem dar mais detalhes sobre o assunto, Musk tuitou no fim do dia que a decisão de dissolver o conselho “é apenas temporária".

Liberdade ou mais controle? Como será o futuro do Twitter nas mãos de Elon Musk

Na semana passada, Musk demitiu os principais executivos da rede social, incluindo o então CEO, Parag Agrawal, logo após finalizar a operação de compra. Além de Agrawal, , foram demitidos o diretor financeiro Ned Segal, e a chefe de assuntos jurídicos e de políticas, Vijaya Gadde.