Musk se esquiva de perguntas sobre o Twitter em conferência com magnatas

Um dia após informar sua desistência no acordo de US$ 44 bilhões para adquirir o Twitter, Elon Musk tem neste sábado ainda mais a atenção de investidores e empresários voltadas para si. Isso porque o bilionário participou da conferência do banco de investimentos Allen & Company, evento realizado há 40 anos e conhecido como o “acampamento dos magnatas” por reunir pessoas influentes no discreto Resort de Sun Valley, em Idaho, nos Estados Unidos.

E agora? Como fica o futuro do Twitter sem Elon Musk

Saiba como se inscrever: Google oferece 500 mil bolsas para cursos on-line de tecnologia no Brasil

Musk discursou no final da manhã deste sábado e se esquivou de algumas perguntas associadas ao Twitter em entrevista conduzida pelo CEO da OpenAI, Sam Altman. Ainda assim, Musk pontuou que a rede social precisa compartilhar seus algoritmos e ser mais transparente com relação aos dados dos usuários.

Caso Trump volta à tona

O CEO da Tesla também reiterou que acreditava que Donald Trump - ex-presidente dos Estados Unidos que teve seu perfil banido do Twitter em janeiro do ano passado, devido ao risco de incitação à violência - precisava de um “tempo limite” na plataforma, em vez da proibição vitalícia imposta depois que o ex-presidente incentivou os apoiadores a marchar no Capitólio dos EUA em 6 de janeiro de 2021.

Durante as negociações para compra do Twitter, o CEO da Tesla chegou a afirmar que reverteria o banimento do ex-presidente e destacou a necessidade de "liberdade de expressão" na plataforma.

Musk também falou sobre sua infelicidade no governo do presidente Joe Biden por desprezar ele e a Tesla com seu foco em veículos elétricos. O bilionário, que tuítou em maio que não apoia mais os democratas e votará nos republicanos, vem aumentando as críticas à atual Casa Branca.

O CEO da SpaceX discursou principalmente sobre sua empresa de foguetes, chamando Marte de "seguro de vida da civilização" caso um desastre aconteça na Terra. Ele discutiu o progresso da companhia para levar a humanidade até lá e disse que o planeta é necessário como plataforma para a vida humana continuar, quando o sol eventualmente se apagar.

Ao menos um participante não teria se incomodado com a falta de detalhes no Twitter devido a litígios pendentes.

De acordo

Entre os convidados para o evento do Allen & Co. estão Tim Cook (Apple), Mark Zuckerberg (Meta), Andy Jassy (Amazon) e Sundar Pichai (Google), além dos CEOs da Netflix, Reed Hastings e Ted Sarandos, e representantes da Sony, da FOX, da Warner Bros e da Paramount.

'Climão' com presença de CEO do Twitter?

A participação de Musk na conferência já era aguardada, disseram fontes com conhecimento do assunto na última sexta-feira. Alguns participantes que planejavam deixar o evento mais cedo chegaram inclusive a estender suas estadias para ouvir Musk, segundo outras fontes, que pediram para não serem identificadas.

Capital: Brasileiros iriam investir quase R$ 2 bilhões na compra do Twitter por Musk, que acaba de ser cancelada

Durante a conferência na quinta-feira, o CEO do Twitter, Parag Agrawal, não respondeu a uma pergunta da Bloomberg sobre se ele está preocupado com a saída de Musk do acordo. O diretor financeiro do Twitter, Ned Segal, também participante, não disse nada quando perguntado se um relatório de que o acordo poderia desmoronar é preciso.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos