Muso da Copa, De Paul denuncia ex-mulher por assédio após polêmica com atual namorada e filhos

A vida do argentino Rodrigo de Paul após o título da Copa do Mundo do Catar não tem sido fácil. De acordo com informações do jornal Clarín, o jogador, de 28 anos, está processando sua ex-mulher, Camila Homs, por assédio e ameaças após uma separação polêmica, envolvendo especulações sobre traições.

O ex-casal permaneceu junto durante 11 anos e teve dois filhos: Francesca e Bautista. Quando voltou a Argentina depois do Mundial, o meio-campista pediu a modelo para que pudesse visitar as crianças, contudo, recebeu ameaças como resposta. É o que indica as partes do processo divulgadas pelo Clarín.

"No dia em que cheguei à Argentina após o término da Copa do Mundo, começou a caravana cujo desfecho não preciso explicar e da qual obviamente participei. Foi cansativo. […] Agora descobri ser quase impossível chegar a Puerto Madero, onde moram os meus filhos. Calculando o tempo que levaria para chegar a casa deles, eu ficaria com as crianças por não mais do que uma hora, o que seria difícil para elas", diz o relatório divulgado pela publicação.

No entanto, Camila teria ficado estressada pelo fato de De Paul ter se encontrado primeiro com sua atual namorada, a cantora Tini Stoessel, de 25 anos, que é uma celebridade na Argentina e já gravou até uma música em parceria com Anitta e a americana Becky G, na noite em que poderia ter ficado com os filhos.

"Eu já te disse: não me contrarie e não contrarie meus filhos. Você ainda não me conhece. Juro que você não me conhece e não conhece as pessoas que estão perto de mim também. (…) Você merece o pior. Você e a sua namorada (…) Eu vou me encarregar de fazer o mundo todo saber que é uma merda, apesar de ser campeão do mundo. Você não terá paz", afirma.

Camila já havia aberto um processo contra o jogador em junho de 2021, quando alegou que De Paul não teria pagado a pensão dos filhos. Claudio Tapia, presidente da Federação Argentina de Futebol, comentou o assunto e disse que o jogador do Atletico de Madrid poderia ter perdido o Mundial do Catar, o que não aconteceu.