Não é só a Mangueira: Grande Rio ouve reclamações até de componentes; São Clemente vira alvo de deputado

Rafael Galdo

RIO — A Mangueira não é a única escola que, este ano, enfrenta ataques virtuais e algumas dificuldades reais devido ao enredo e ao samba escolhidos. Embora em menor intensidade do que a verde e rosa, a Acadêmicos do Grande Rio, que homenageará o pai de santo Joãozinho da Goméia, também recebe críticas nas redes sociais, muitas delas com conotação religiosa. “Vocês estão indo contra Jesus e a Bíblia” é um dos comentários mais repetidos.

A escolha do tema representa uma mudança no perfil dos enredos que a escola apresentou na Avenida nas últimas duas décadas e levou alguns componentes a desistir de desfilar. O argumento, diz a agremiação, quase sempre é “as alas terão muitos orixás”.

Leia