'Não é um canetaço', diz Bolsonaro sobre limite no cheque especial

Daniel Gullino
Bolsonaro elogiou a medida do Banco Central de limitar os juros do cheque especial

BRASÍLIA — O presidente Jair Bolsonaro afirmou que a decisão de limitar os juros aplicados ao cheque especial em até 8% ao mês "não foi um canetaço", porque foi decidida pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). Ele voltou a elogiar a decisão e disse que o Brasil caminha para números "compatíveis com a taxa de juros". A decisão foi anunciada na última quarta-feira e passa a valer no dia 6 de janeiro de 2020.

A resolução do CMN também permite que os bancos cobrem uma tarifa mensal pela disponibilização do cheque especial. Hoje, não é cobrada taxa de quem não usa o serviço. Será possível onerar o cliente em até 0,25% do valor disponível que exceder R$ 500. Isso significa que, para quem conta com um limite de até R$ 500, a tarifa não se aplica.

Envie denúncias, informações, vídeos e imagens para o WhatsApp do Extra (21 99644 1263).