Não é você, amor, é a inflação: Namoro se torna a mais nova vítima da alta dos preços

Dizem que o amor não custa nada, mas namorar no atual cenário econômico com certeza custa.

Os daters estão experimentando o choque dos preços de realizar um jantar romântico com a inflação em sua taxa mais alta em mais de 40 anos nos Estados Unidos.

Auxílio Brasil: Empobrecimento e queda na renda explicam aumento na fila, dizem especialistas

Entrevista: 'Ter uma trans CEO é difícil? Muito, mas é possível, diz sócia-diretora da KPMG

A categoria do índice de preços ao consumidor para alimentação fora de casa subiu 7,7% em junho em relação ao ano anterior, enquanto os restaurantes de serviço completo subiram 8,9%. Para aqueles que preferem testar o clima com um ou dois coquetéis, os preços das bebidas alcoólicas subiram 4%.

E quem procura o amor já assume que está sentido as dores dos preços.

Entre três mil usuários do popular aplicativo de namoro Hinge, quase 41% disseram estar mais preocupados com o custo dos encontros agora do que há um ano, com os entrevistados da Geração Z mais propensos a sentir a pressão.

'Tem que correr atrás': Os obstáculos que os jovens enfrentam para entrar no mercado de trabalho

Emily Derby, uma jovem de 27 anos de Tulsa, Oklahoma, disse que seus custos de namoro dobraram de US$ 200 para US$ 400 por mês.

— Quando você leva em consideração dirigir para ver uma pessoa, fazer compras, sair para comer e voltar para casa, um único encontro pode facilmente custar US$ 100 — disse ela.

À medida que os custos aumentam, alguns solteiros estão diminuindo e sendo mais seletivos sobre os encontros em que estão indo, enquanto outros estão pausando completamente a busca por um novo amor.

No site de namoro OKCupid, 34% dos 70 mil usuários relataram que a inflação estava afetando sua vida amorosa.

— Em 2020, eu saía em encontros a torto e a direito, sem pensar muito nos custos. Agora, é mais difícil ficar animado porque, se um encontro der errado, você sai de US $ 50 a US $ 100 — disse Seth Rosenberg, um jovem de 25 anos da Filadélfia.

Amor e dinheiro

Aqueles que ainda estão no jogo do namoro têm amor e dinheiro em mente.

A coaching de namoros em Nova York, Amy Nobile, disse que até mesmo seus clientes de alta renda, muitos dos quais pagam US$ 15 mil por um programa de quatro meses, estão tentando cortar seus custos de namoro pela metade.

Encontre: Gasolina fica mais barata no país, aponta pesquisa. Veja os postos com menor preço na sua cidade

Clientes que normalmente gastariam até US$ 150 em um encontro estão vendo se podem sair com US$ 75 ou menos.

— As pessoas estão sentindo os preços subindo. Para aqueles que estão no longo jogo para encontrar um parceiro, eles sentem que realmente precisam monitorar seu fluxo de dinheiro no mundo do namoro — disse a especialista.

Como resultado, as pessoas estão em busca de opções mais baratas, disse Logan Ury, diretor de ciência do relacionamento da Hinge.

Embora possa haver uma aversão a um “encontro barato”, Ury disse que não é uma coisa ruim.

Novos tipos de encontros

Na verdade, o namoro pandêmico tornou as pessoas mais abertas a diferentes tipos de passeios, levando a um “renascimento do namoro criativo”, como um piquenique em um parque local ou visitar um mercado de agricultores em busca de ingredientes para fazer uma refeição caseira.

A onda 'Pantanal': Sucesso na TV, novela estimula de venda de berrante e roupa de 'oncinha' a corte de cabelo de 'Juma'

Para aqueles que preferem um jantar fora mais tradicional, as tensões aumentam sobre quem deve pagar a conta.

Nobile disse que geralmente aconselha seus clientes do sexo masculino a arcar com os custos durante a fase de “cortejo” de um relacionamento. Mas agora, ela disse, homens em uma variedade de cidades e rendas estão cada vez mais pedindo para que seu par pague a metade– uma nova norma para a qual ela está preparando suas clientes.

— Estou dizendo aos clientes que o cavalheirismo ainda existe e pode se manifestar fora do dinheiro. Você está procurando aquelas pequenas cortesias comuns que realmente importam — disse Nobile.

Habilidade com finanças passa a ser um diferencial

Como os americanos de todas as faixas de renda sentem o aperto da inflação, encontrar uma pessoa que seja financeiramente experiente é uma qualidade cada vez mais atraente: os usuários do OkCupid que disseram manter um orçamento receberam 16% mais correspondências e 7% mais curtidas nos últimos três meses do que aqueles que disseram que não.

Finanças: Euro rompe barrreira de US$ 1: moeda vai cair mais? Europa está barata? Vale a pena comprar?

Esse crescente interesse em finanças faz com que muitas pessoas falem sobre carreiras e dinheiro desde o primeiro encontro – uma extensão de uma tendência recente de namoro conhecida como “hardballing”, ou dizendo a um potencial interesse amoroso todas as suas expectativas com antecedência.

Para alguns, as conversas preventivas sobre dinheiro podem significar a ruína de romances em ascensão. Isso inclui Derby, cuja discussão sobre o pagamento de uma conta provocou uma discussão desconfortável sobre finanças.

— Ele fez um comentário sobre como essa foi a primeira vez que eu paguei por algo — relembrou.

Derby lembrou de seu interesse amoroso mais recente. Em retrospectiva, ela agora lembra que ele também brincou sobre procurar uma “mamãe de gasolina” para ajudar a pagar os custos crescentes de combustível e fez comentários sarcásticos sobre “as mulheres serem caras”.

A dupla decidiu terminar as coisas depois de dois meses.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos