Não entre em pânico, mas cientistas afirmam que o universo está morrendo

Em aproximadamente cinco bilhões de anos o sol irá se expandir e envolver nosso planeta em fogo - matando qualquer coisa que estiver vivendo na sua superfície.

Ainda há uma chance - embora pequena - de que os humanos possam sobreviver a esta catástrofe, fugindo da Terra em uma nave espacial antes da morte do nosso sistema solar.

Entretanto, há uma parte da qual nós NÃO PODEREMOS escapar: a morte do universo.

A única coisa que sabemos é que isso vai acontecer, e que nosso universo está morrendo “de diferentes maneiras” - que não parecem particularmente agradáveis.

AS LUZES SE APAGAM

Observações realizadas este ano mostraram que o universo já está morrendo, pois as estrelas antigas morrem a uma velocidade maior do que as novas estrelas nascem para substituí-las.

John Beacom da Universidade de Ohio, nos Estados Unidos, disse, “Isso praticamente confirma a situação. Sim, o universo vai chegar ao fim.”

O Observatório Europeu do Sul usou telescópios para mensurar a saída de energia de 200 mil galáxias como parte da Galaxy And Mass Assembly (GAMA) e concluiu: “O universo está morrendo.”

“O universo já está em declínio, e caminhará suavemente rumo à idade avançada. O universo basicamente se sentou no sofá, pegou um cobertor, está prestes a cair no sono e dar início a um cochilo eterno,” concluiu Simon Driver da Universidade da Austrália Ocidental.

O GRANDE CONGELAMENTO

Como se o fato das estrelas estarem se apagando e nos deixando no escuro não fosse ruim o suficiente, tudo também está se expandindo - o que levará a um universo frio e sem vida.

Não se sabe exatamente o que vai acontecer primeiro - as estrelas se apagarem ou o universo “escurecer” enquanto acelera em consequência da energia escura.

Jochen Liske da Universidade de Hamburgo, Alemanha, disse à IFLScience, “O universo está morrendo de diferentes maneiras.”

Liske disse, “Tudo depende da velocidade de aceleração do universo. Esta é uma questão que nós não conseguimos responder. Ainda não sabemos o que causa a aceleração da expansão.”

Mesmo que algumas estrelas consigam sobreviver, neste cenário nós veríamos tudo voando e se desfazendo, até que as estrelas também se apagassem e os buracos negros evaporassem.

E aí o universo estaria morto para sempre.

O GRANDE COLAPSO

Outros cientistas acreditam que não há energia escura suficiente para sustentar uma expansão infinita, e afirmam que o universo irá colapsar por si só.

Para nós, que estamos dentro dele, a notícia seria igualmente terrível.

No ano passado cientistas da Universidade de Nottingham, na Inglaterra, disseram que isso pode acontecer “de forma iminente”, e os sinais da “catástrofe final” já estão aqui.

É importante ressaltar que estes cientistas estão utilizando o termo “iminente” de maneira um pouco diferente do que nós podemos imaginar - eles estão falando de algo que pode ocorrer em dezenas de bilhões de anos.

Mas o fim está vindo, conforme informado por investigadores em um estudo intitulado “O Fim” publicado na revista Physical Review Letters.

“O fato de que nós estamos vendo energia escura agora pode ser considerado um indicador de um destino trágico, e estamos tentando analisar os dados para estimar a data do fim,” diz Antonio Padilla da Universidade de Nottingham.

Padilla diz, “Neste cenário, quando o que desencadeia o colapso começa a dominar, isso ocorre em um período de ‘movimento lento’ que nos leva à expansão acelerada que vemos hoje. Eventualmente o universo vai parar de se expandir e chegar a um ponto em que começa a encolher, culminando em um 'grande colapso.’”

AINDA NÃO É O FIM?

Após o Grande Colapso, é possível que ocorra outro Big Bang - e o processo irá começar novamente.

Outros cientistas acreditam que possam existir outros universos separados do nosso no espaço - sem que eles encostem uns nos outros.

Um físico afirma que pode já ter visto um - sugerindo que “pontos brilhantes” estranhos nos locais mais distantes do espaço indicam que o nosso universo está sendo perturbado por algo “que esbarra” nele.

Este “algo” poderia ser um outro universo totalmente diferente.

O Dr. Ranga-Ram Chary do Instituto de Tecnologia da Califórnia, Estados Unidos, disse à Phys.org, “Afirmações incomuns a respeito de evidências de universos alternativos requerem uma quantidade significativa de provas.”

Isso significaria que mesmo que o nosso universo morresse, haveria outros. E é claro que quando qualquer um destes cenários ocorrer, nós - e todos que nós conhecemos - já estaremos mortos há bilhões de anos.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos