Não estranhe: Edge será aberto automaticamente ao acessar alguns sites

Felipe Demartini
·2 minuto de leitura

Não se incomode caso, a partir de novembro, veja o Edge abrindo automaticamente no seu computador durante o uso do Internet Explorer. A mudança faz parte dos planos de aposentadoria do velho navegador e da substituição pelo novo, com uma lista de 1.165 sites que não mais funcionarão no IE, incluindo nomes de peso como YouTube, Twitter, Instagram, Stack Overflow, Yahoo Mail, Go Daddy e tantos outros.

Quem acessar tais plataformas a partir de novembro verá uma mensagem indicando que os serviços não são mais compatíveis com o Internet Explorer, com o Edge sendo iniciado automaticamente. A mudança já faz parte de uma atualização que está sendo liberada para usuários Insider e deve chegar a todos na semana do dia 19, trazendo ainda mais recursos como um modo escuro e um leitor integrado de PDFs, entre outros.

O segredo da mudança forçada é a inclusão de um novo arquivo DLL que vem sendo incluído na atualização, um object helper que, oficialmente, é interpretado pelo sistema como um plugin para o navegador. Chamado literalmente de “ie_to_edge_bho.dll”, o arquivo fica dentro da pasta do Edge e também ativa uma chave no registro do Windows 10 cada vez que o Internet Explorer é executado, aguardando a abertura de um dos sites da lista para disparar o Edge de forma automática.

<em>Diálogo informa usuários que determinados sites não poderão ser mais abertos no Internet Explorer, com o Edge cada vez mais se tornando a única opção possível no Windows 10 (Imagem: Reprodução/ZDnet)</em>
Diálogo informa usuários que determinados sites não poderão ser mais abertos no Internet Explorer, com o Edge cada vez mais se tornando a única opção possível no Windows 10 (Imagem: Reprodução/ZDnet)

Sempre que uma página é acessada, o navegador faz uma checagem com os servidores da Microsoft, que disponibiliza a lista de sites que não podem ser usados no Internet Explorer. Além dos serviços citados, apenas um brasileiro, com os serviços de ensino à distância da universidade Estácio aparecendo na relação.

De acordo com testes preliminares, o funcionamento a partir de uma DLL e do registro do sistema operacional impedem manipulações como apagar o arquivo, no que seria o caminho mais direto para acabar com a obrigatoriedade. Entretanto, políticas de grupo podem ser usadas por usuários corporativos para impedir a abertura automática do Edge e controlar alguns aspectos do funcionamento dessa integração, no caso, por exemplo, de estações de trabalho desatualizadas ou que, por algum motivo, não tenham o Edge instalado.

Enquanto isso, para o restante, resta apenas a instalação e uso forçado do Edge, enquanto uma página de ajuda também pode ser acessada a explica os benefícios da mudança, com o novo navegador entregando, segundo a Microsoft, maior velocidade, performance e segurança em uma experiência melhor.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: