Não há nada secreto na Justiça Eleitoral, única coisa secreta é o voto, diz Moraes

Alexandre de Moraes, ministro do STF e presidente do TSE

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Alexandre de Moraes, afirmou nesta sexta-feira que a única coisa secreta na Justiça Eleitoral é o voto e que a corte --assim como os brasileiros-- confia nas urnas eletrônicas e querem transparência em todo o processo eleitoral.

"Não há nada secreto na Justiça Eleitoral, a única coisa secreta é o voto", disse em cerimônia de lacração das urnas eletrônicas para a eleição geral que ocorre daqui a um mês.

"O Tribunal Superior Eleitoral o que ele quer é transparência, a Justiça Eleitoral confia --assim como os brasileiros e brasileiras confiam-- nas urnas eletrônicas e nada melhor do que... jogar luz nas questões que se problematizam", reforçou ele.

Na cerimônia de assinatura de lacração das urnas, Moraes disse que este momento marca o encerramento de uma etapa de desenvolvimento e inspeção dos sistemas eleitorais.

Nessa etapa, o TSE busca garantir a autenticidade do programa responsável pelo funcionamento da urna eletrônica e mostra que o software não foi modificado de forma intencional ou não perdeu suas características originais por falha na gravação ou leitura. Nessas eleições, o código que alimenta as urnas ficaram abertos para inspeção por um ano, o dobro do que ocorreu em pleitos anteriores.

O presidente do TSE afirmou que essa etapa "burocrática" nunca tinha sido tão acompanhada por envolvidos na disputa eleitoral.

Ao menos desde o ano passado, o tribunal adotou uma série de medidas para ampliar a transparência e reforçar a segurança das urnas eletrônicas em meio a questionamentos sem fundamento feitos pelo presidente e candidato à reeleição Jair Bolsonaro (PL) sobre a confiabilidade do sistema.

(Reportagem de Ricardo Brito)