"Não há varinha mágica que desligue aquecimento"

"Não há varinha mágica que desligue aquecimento"

110 líderes mundiais estão aqui em Sharm El Sheikh, no Egito, para a Cimeira sobre as Alterações Climáticas das Nações Unidas, da COP 27, e todos estão sob uma grande pressão para agir. Não é apenas dos partidos da oposição, dos eleitores, dos grupos de campanha e da sociedade civil, mas também dos cientistas que dizem que já não é uma questão de "o tempo está a esgotar-se", é já uma questão de "o tempo esgotou-se". Falámos com Johan Rockström. É o diretor do Potsdam Institute for Climate Impact Research e um dos principais cientistas climáticos mundiais.

A única opção que temos é a de remover o dióxido de carbono da atmosfera.

"As decisões que tomarmos agora terão impactos durante séculos. Quero dizer, ultrapassar os 1.5° e o derretimento do manto de gelo da Gronelândia não acontecerá da noite para o dia, mas é irreversível, mesmo que leve 500 anos, sete metros de subida do nível do mar. No que diz respeito às possibilidades de retrocesso... A única opção que temos é a de remover o dióxido de carbono da atmosfera. Portanto, há uma oportunidade amortecedora que temos, se trabalharmos com a natureza, se construirmos reservas de carbono e se constituirmos reservas, particularmente numa natureza intacta na Terra e através de sistemas agrícolas, por exemplo. Mas não há soluções mágicas. Não há varinha mágica que nos possa levar de repente a desligar o aquecimento que causámos", afirma o cientista.

Não há nenhuma varinha mágica, mas o que há é dinheiro. Muitas das conversas aqui serão em torno das finanças, dos países mais ricos até aos mais pobres. Desde aqueles que provocam as mudanças climáticas até aos mais afetados por elas, de modo a ajudar na adaptação, pois sabemos que as mudanças estão agora em curso e que as pessoas precisam de ajuda para lidar com este planeta em aquecimento que temos. Um dos principais objetivos é alcançar-se a meta de mais de 100 mil milhões de euros necessários para ajudar os países mais vulneráveis a adaptar-se e a lidar com as alterações climáticas, como ficou acordado na COP 26 em Glasgow, na Escócia, em 2021.

A COP 27 realiza-se em Sharm El Sheikh, no Egito, até ao dia 16 de novembro.