'Não pode ser por baixo do pano', diz presidente do MDB sobre orçamento secreto

·2 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

BRASÍLIA - Para o presidente do MDB, o deputado Baleia Rossi (SP), deve haver transparência sobre a distribuição das "emendas de relator" — fatia de R$ 20 bilhões do Orçamento controlada pelo Congresso Nacional, conhecida como "orçamento secreto" pela falta de transparência sobre quem faz indicações.— Eu não sou contra emendas parlamentares, eu sei que os deputados trabalham muito para retornar à sua base eleitoral com apoio para saúde, obras de infraestrutura, equipamentos públicos. Isso é absolutamente legítimo, mas não pode ser por baixo do pano. Não pode ser privilegiando os amigos do rei e para geral, nada. A execução do orçamento secreto foi recentemente paralisada por ordem do Supremo Tribunal Federal (STF), que determinou que seja dada publicidade às indicações, para saber quanto cada deputado e senador enviou para suas bases eleitoras.Em meio à eleição para a presidência da Câmara dos Deputados e do Senado, no início do ano, a distribuição das emendas de relator privilegiou os grupos aliados de Arthur Lira (PP-AL) e Rodrigo Pacheco (PSD-MG), depois eleitos presidentes das respectivas Casas, como mostrou o GLOBO. Para Rossi, que concorreu contra Lira, seu grupo foi "contra o governo federal", por conta da liberação de emendas às vésperas do pleito.— Tivemos uma disputa contra o governo federal. Sabemos a maneira com que o governo atua, e, agora, o mais importante é a gente defender a transparência nas relações do Legislativo com o Executivo. Questionado sobre se o MDB poderia divulgar quanto cada senador e deputado de seu partido recebeu do "orçamento secreto", Rossi disse que não se opõe.— É uma questão de falar com os líderes. Eu não tenho conhecimento. Eu fui líder, sempre busquei representar a minha bancada, sempre busquei o apoio necessário para que os parlamentares possam atuar na sua base. Por que esconder o que aconteceu nesses últimos tempos? Tem que ter transparência.— O parlamentar que conseguiu recursos legitimamente representando sua base não tem o que esconder. Por que ter medo de apresentar essa planilha, esses dados para a população? Isso é uma cobrança que se faz necessária.Ele frisa não ser contrário à distribuição de emendas de relator, mas defende que exista impessoalidade e transparência.— Senão, você acaba generalizando o Parlamento e faz um desserviço à política. Leia a entrevista completa com o presidente do MDB.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos