Não podemos deixar os precatórios estourarem o teto de gastos, diz Lira

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·1 minuto de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
***ARQUIVO***BRASÍLIA,DF, 08.08.2021 - O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), durante pronunciamento à imprensa sobre a votação do voto impresso. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
***ARQUIVO***BRASÍLIA,DF, 08.08.2021 - O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), durante pronunciamento à imprensa sobre a votação do voto impresso. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), defendeu hoje que o pagamento de precatórios — valores que a União deve pagar por ordem da Justiça — não pode estourar o teto de gastos — limite imposto para o gasto público.

"A melhor saída é a que está sendo negociada: a mista", defendeu Lira em evento ao lado do presidente da Febraban (Federação Brasileira de Bancos), Isaac Sidney, e do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto.

Ao falar em "saída mista", Lira fez referência a uma solução que tem sido defendida também pelo presidente do STF, Luiz Fux, e detalhada ontem pelo magistrado em evento da XP Investimentos.

Na "saída mista", em 2022, o pagamento prioritário seria o de precatórios de menor valor, até um limite em que não se furasse o teto de gastos. Para além disso, a despesa ficaria para ser paga em 2023.

No próximo ano, o governo federal tem R$ 89 milhões em precatórios a pagar. Se a ideia defendida por Fux for adiante e passar a valer, o governo só pagaria R$ 50 milhões e deixaria os outros R$ 39 milhões em 2023.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos