'Não realizamos esse tipo de abordagem', diz porta-voz da PM após policiais agredirem motociclista em Petrópolis

Rafael Nascimento de Souza
·3 minuto de leitura
Câmera de segurança registrou a agressão de PMs a motociclista que colidiu em viatura
Câmera de segurança registrou a agressão de PMs a motociclista que colidiu em viatura

A porta-voz da Polícia Militar, a tenente-coronel Gabryela Reis Dantas, afirmou na manhã desta segunda-feira que houve ilegalidade por parte de quatro policiais militares do 26º BPM (Petrópolis) na abordagem a um jovem de 18 anos no último sábado, na cidade serrana. Uma câmera de segurança flagrou o momento em que uma viatura onde estavam os militares prensa Riam da Silva Rufino, que estava numa moto, contra um outro carro.

Em seguida, os PMs descem e começam as agressões. O caso aconteceu às 10h30 na comunidade de Vila Caramgola, em Petrópolis, Região Serrana do Rio. O rapaz voltava da padaria quando foi agredido. Segundo a tenente-coronel, a Corregedoria Interna da corporação vai apurar o desvio de conduta dos agentes.

Ao “Bom dia Rio”, da TV Globo, a porta-voz afirmou que houve abusou de autoridade no momento da abordagem e que a corporação não compactua com esse tipo de ação.

— Hoje a comandante do batalhão fará a análise desse desvio de conduta. Eles poderão ser afastados das ruas — disse a porta-voz, que completou:

— A nossa abordagem tem como base o nosso manual sobre qualquer cidadão. Não realizamos esse tipo de abordagem que foi realizada no sábado. Isso não está nos nossos manuais — afirmou Gabryela, que criticou a postura dos quatro PMs.

A porta-voz da PM lembra que “o procedimento seria a vistoria (a revista) para ver se ele postava algum tipo de armamento”.

— Se ele não estivesse portando (armas) iríamos realizar o socorro ou então acionar o Samu para que ele fosse socorrido e levado para uma unidade de saúde — completou.

Riam da Silva Rufino havia acabado de comprar pães para um amigo dono de uma barbearia que fica na comunidade onde ele foi abordado. O caso aconteceu a cerca de 30 metros de onde ele entregaria os pães. Ele contou que as agressões foram muito rápidas e que após a abordagem ele acabou tendo ferimentos nas pernas e no joelho e precisou receber atendimento médico em um posto de saúde de Petrópolis.

Ao Bom Dia Rio, Riam disse que quando tinha 17 anos chegou a ficar pouco mais de um mês detido em um Centro de Ressocialização para menores infratores. O rapaz afirmou ainda que, por temer pela sua segurança ou por outras abordagens violentas, não registrou o boletim de ocorrência na delegacia do município. A Polícia Militar também não fez nenhum registro contra o jovem.

As quatro militares serão afastados das ruas até o fim do inquérito.

A Corregedoria da PM entrou no caso após moradores divulgarem as imagens nas redes sociais. A Polícia Militar diz que os policiais envolvidos foram ouvidos através da 7ª Delegacia de Polícia Judiciária Militar (DPJM).

Nesta segunda-feira, os policiais serão ouvidos pela tenete coronel do Batalhão de Petrópolis, Simone de Almeida da Silva. A comandante quer saber porque os policiais agiram com violência e após a abordagem não conduziram o jovem para a 105ª DP (Petrópolis), já que ele estava sem capacete e habilitação.