'Não sabiam meu nome, me chamavam de visita', diz Xuxa Meneghel sobre trabalho voluntário na África

Gilberto Júnior
1 / 2

WhatsApp Image 2020-03-22 at 15.55.14.jpeg

Xuxa e Sasha com crianças na Angola

"Fui abençoada", diz Xuxa Meneghel do outro lado da linha. A apresentadora chega à conclusão depois de narrar sua experiência em Angola ao lado da filha, a modelo Sasha Meneghel, no fim do ano passado. "Quando ela me convidou para fazer esse trabalho voluntário, fiquei pensando em maneiras de ajudar, o que poderia levar para aquele povo, mas recebi muito mais deles no fim. Sasha me olhava o tempo todo com uma carinha. Qualquer coisa que eu venha falar, é pouco."

Xuxa conta que uma das passagens mais emocionantes aconteceu num encontro com mulheres viúvas. "Elas estavam felizes só de eu estar lá, se sentiam importante de eu ter deixado o Brasil para vê-las. Era como se Deus estivesse olhando para elas. Não sabiam meu nome, me chamavam de visita. Essas mulheres traziam manga, tomate e abacaxi para mim, como oferendas mesmo. Elas queriam me ofertar alguma coisa, mesmo que não tivessem. Eu só chorava. Olhava aqui e pensava: 'Nossa, tenho tanto a aprender ainda'. Nossa missão deveria ser olhar uns para os outros com carinho e respeito. Deveríamos nos perguntar: 'O que eu posso fazer para que aquela pessoa se sinta um pouco melhor? Na África, fizeram isso comingo. Nunca recebi tanto carinho."

A apresentora agora está tentando ajudar os angolanos entrando em contato com empresários brasileiros e amigos próximos, como Angélica e Sabrina Sato. "Elas nem queriam que eu falasse nada, mas posso contar com elas. Acho que encontrei um jeito de fazer filantropia sem precisar colocar minha cara", comenta a gaúcha, que durante 29 anos manteve a Fundação Xuxa Meneghel no Rio para ajudar crianças.

Aliás, a loura afirma que já foi questionada sobre a razão de estar fazendo projetos na África e não em seu país. "Primeiro, eu já ajudei aqui, e eles não têm nada. A miséria daquele povo não é pequena. E outra: desde quando amor tem fronteira? Tem que existir vontade e estar preparada para o que você vai ver. É criança sofrendo de malária, estupros... Não é fácil."