'Não temos nenhuma resposta para dar', diz presidente do STM sobre áudios que comprovam tortura na ditadura

·2 min de leitura

Na primeira sessão do Superior Tribunal Militar (STM) após divulgação de áudios que comprovam torturas durante a ditadura, o presidente da Corte, Luis Carlos Gomes Mattos, chamou a notícia de "tendenciosa" e afirmou que a Justiça Militar não tem "resposta nenhuma para dar". O material foi publicado no último domingo por Miriam Leitão em sua coluna no GLOBO.

— A gente já sabe os motivos, do por que isso vem acontecendo nesses últimos dias, seguidamente, por várias direções, querendo atingir as Forças Armadas, o Exército, a Marinha, a Aeronáutica, nós que somos quem cuida da disciplina, da hierarqruia. Não temos resposta nenhuma para dar, simplesmente ignoramos uma notícia tendeciosa daquela, que nós sabemos o motivo — afirmou o ministro.

A divulgação dos áudios de sessões do STM entre 1975 e 1985 faz parte de um material que vem sendo compilado pelo historiador e pesquisador da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) Carlos Fico. Nas gravações, os então ministros da Corte reconhecem que presos políticos foram torturados no país durante a ditadura militar. O Golpe Militar de 1964 em imagens

— Garanto que não estragou a Páscoa de ninguém. A minha não estragou. A gente fica incomodado que vira a mexe que não tem nada para buscar hoje, e vão rebuscar o passado. E é sempre assim — disse Gomes Mattos nesta terça-feira.

Também intergrante do STM, a ministra Maria Elizabeth Rocha disse, em entrevista ao GLOBO nesta terça-feira, que os áudios são "dolorosos" e importantes como "alerta para que tais práticas não se repitam". Nas sessões, abertas e secretas, os ministros militares e civis tecem comentários sobre casos de tortura que ocorreram durante a ditadura.

Para ela, que é uma das cinco civis entre os 15 ministros que integram o STM, embora a Justiça Militar tivesse conhecimento dos atos de tortura denunciados por presos políticos nos processos, "não significa que o STM fosse favorável ou conivente diante de tais abusos".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos