'Não tenho problema com as minhas rugas', diz Carla Marins, musa dos anos 1990

·4 minuto de leitura

A atriz Carla Marins não para de receber mensagens sobre sua atuação em três novelas que estão no Globoplay: "A indomada", "Morde e assopra" e "Porto dos milagres". "As pessoas gostam desse tipo de folhetim", observa. Aos 53 anos, casada com o personal trainer Hugo Baltazar e mãe de Leon, de 12 anos, Carla se define como feminista, lembra os anos 1990, em que o assédio era normalizado, diz que se arrepende de ter posado para a Playboy e comenta sobre Regina Duarte, de quem foi filha na novela "História de amor". Confira os melhores trechos da entrevista por chamada de vídeo:

Leia mais: 'Prefiro vibradores a joias, me dão mais prazer. Tenho uma gaveta', diz Ana Paula Tabalipa

Começo de carreira

"Nasci em Campos, mas fui morar em Niterói ainda criança. Com 15 anos, já fazia curso de teatro no Parque Lage. Fiz um curso do Wolf Maia e ele me chamou para fazer um belo personagem em 'Hipertensão'. Tinha 17 anos e a Claudinha Abreu, 16. Minha personagem era problemática. Logo depois, fui contratada e fiquei 20 anos na TV Globo."

No ar

"As três novelas, 'A indomada', 'Porto dos milagres' e 'Morde e assopra', entraram praticamente ao mesmo tempo no Globoplay. As pessoas estão gostando muito desse tipo de folhetim, do realismo fantástico, que tem tudo a ver com os dias de hoje."

Regina Duarte

"Tenho carinho pela Regina Duarte, ela foi minha mãe numa novela emblemática do Manoel Carlos ('História de amor', de 1995). Eu fico muito triste com o caminho que ela seguiu, com o qual eu não concordo. Não mantenho mais contato. Fico triste em ver pessoas a quem eu admirava profissionalmente terem tomado rumos com os quais eu não concordo. É muito delicado tudo isso."

Geração anos 1990

"Minha geração precisou se comportar de maneira conivente para sobreviver a um ambiente extremamente machista e misógino, não só na TV, mas no Brasil e no mundo. Fico muito feliz com essas jovens de 20 e 30 anos que estão aí falando que não pode mais. Esse mundo tem que ser afável a nós, mulheres, principalmente no mercado de trabalho. Claro que sofri assédio, mas não muito, por incrível que pareça. Quando esta questão veio à tona, pude entender o contexto histórico em que vivi. Fico feliz que as meninas de hoje estão sabendo se colocar melhor."

Feminista sim

"Cresci com a máxima 'eu não sou feminista, sou feminina'. Hoje penso ao contrário: não quero mais a ideia do feminino quando este feminino está ligado ao patriarcado que impõe um padrão estético com o qual tenho de me adequar. Hoje sou uma mulher feminista e crio meu filho, Leon, de 12 anos, para ser um homem respeitador, assim como o pai dele."

Capa da Playboy

"Entendi rápido que aquilo era uma falácia. Quando a Carolina Dieckmann foi chamada para posar para a revista, disse para ela não fazer. Eu me arrependi amargamente. Para que me objetificar? Me arrependi já durante as fotos, mas não podia desistir, pagaria uma multa imensa. Estava em Cancun e tive uma experiência horríve com o fotógrafo. Não tinha nada a ver comigo. Isso, para mim, é a marca mais clara de que a gente não possuia senso crítico. Eu tinha uma carreira. Meu corpo serve para atuação, mas para ser objeto de prazer do outro? Já elaborei tudo isso, mas foi muito esquisito."

Maternidade

"Nunca quis ter filhos. Com 37 anos, conheci o Hugo e a gente se apaixonou. Seis meses depois, estávamos tentando e rolou naturalmente. Tive o Leon aos 40 anos. Não romantizo a maternidade. As mulheres não precisam disso para serem felizes. Tenho um filho e sou muito feliz, mas poderia ser feliz sem ter tido filhos também. Maternidade não tapa buraco."

Passagem do tempo

"Sou vaidosa, mas não sou supervaidosa. Não tenho problema de ter 53 anos, com as minhas rugas, com a minha pele. Olho para meu passado e gosto dele. As pessoas falam que aparento ter menos idade, mas não sou obcecada com a juventude. Brinco que não tenho guarda-roupa e, sim, acervo, uso roupa de 20 anos atrás."

Exercícios

"Faço exercícios físicos durante uma hora, todos os dias. Meu marido se especializou numa técnica neuro-integrativa e eu sigo esse método, além de treinar normalmente."

Projetos

"Trabalhei 20 anos na Globo e tenho uma trajetória linda lá. Adoraria voltar para a minha casa e fazer novamente novelas na emissora."

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos