Número de crianças imigrantes em instalações na fronteira dos EUA dispara

Ted Hesson e David Morgan
·2 minuto de leitura
Menores são transportados após cruzar fronteira do México para os EUA

Por Ted Hesson e David Morgan

WASHINGTON (Reuters) - Mais de 3.600 crianças imigrantes estavam sendo mantidas em instalações de fronteira nos Estados Unidos na manhã de quinta-feira, número quatro vezes maior que o do final de fevereiro, um sinal de uma crise política e humanitária em crescimento para o governo do presidente Joe Biden.

O número de crianças desacompanhadas, a maioria delas vinda de países da América Central, que chega à fronteira dos Estados Unidos com o México cresceu rapidamente nas últimas semanas, com mais crianças em estações de patrulhamento da fronteira enquanto esperam transferências para abrigos federais cada vez mais lotados e a soltura para seus pais ou guardiões legais.

As estações de fronteira foram construídas para abrigar homens adultos por curtos períodos e podem representar um risco sanitário com a Covid-19 para crianças e funcionários se chegarem a passar a lotação máxima. Na semana passada, autoridades sanitárias dos EUA suspenderam restrições de capacidade relacionadas ao coronavírus para menores desacompanhados para aliviar a crise de superlotação, mas as camas estão sendo preenchidas rapidamente.

Biden, um democrata que tomou posse há sete semanas, prometeu desfazer muitas das políticas restritivas do ex-presidente Donald Trump, do Partido Republicano. Em fevereiro ele começou a permitir que menores desacompanhados que chegassem à fronteira pudessem entrar no país. Anteriormente, eles eram levados de volta ao México ou rapidamente deportados por conta de um decreto da era Trump conhecido como "Título 42".

Republicanos criticaram Biden por retroceder em políticas linha-dura de Trump, dizendo que seu governo incentiva a imigração ilegal. Ao mesmo tempo, democratas criticam Biden por manter algumas das políticas de Trump e pela reabertura de um abrigo de emergência no Texas que era utilizado no governo Trump.

As chegadas se assemelham a surtos migratórios anteriores de menores desacompanhados e de famílias em 2014 e 2019, de acordo com autoridades e especialistas. O número de 3.600 crianças sob custódia da Agência Alfandegária e de Proteção à Fronteira (CBP, na sigla em inglês) subiu em comparação a 800 no dia 22 de fevereiro.

(Reportagem de Ted Hesson e David Morgan em Washington)