Número de homicídios cai no Rio, enquanto golpes continuam em alta e somam 95 mil casos de estelionato neste ano

Os homicídios dolosos continuam em trajetória de queda no Estado do Rio. Segundo dados do ISP divulgados ontem, entre janeiro e setembro houve 2.258 mortes, o menor número desde 1991. O índice teve uma diminuição de 10% na comparação com o mesmo período de 2021. Entre setembro deste ano e o mesmo mês do ano passado, a redução no índice foi de 1%.

'Uma tragédia na família': Caminhoneiro morto na Avenida Brasil faria aniversário no domingo

Mensagens pela internet: Professor denunciado por assédio criou grupo em aplicativo e mandava mensagens para alunas, relata vítima

Das regiões do estado, apenas a capital apresentou crescimento no número de homicídios, com 616 vítimas este ano, contra 597 no ano passado. Baixada Fluminense, Grande Niterói e Interior apresentaram redução nos casos.

Analisadas as Áreas Integradas de Segurança Pública (Aisps) — divisão territorial equivalente à área de atuação de um batalhão da Polícia Militar —, os homicídios dolosos tiveram alta ou ficaram estáveis em 15 delas, no período de janeiro a setembro deste ano, na comparação com os mesmos nove meses do ano passado. A maior queda percentual foi na área do 21º BPM (São João de Meriti): 43%. A área do 2º BPM (Botafogo) foi a que teve o menor número de mortes em 2022: quatro casos registrados entre janeiro e setembro, um a mais do que os três ocorridos no acumulado dos nove primeiros meses de 2021. Já a área do 20º BPM (Mesquita), na Baixada, registrou 191 homicídios dolosos este ano.

Frascos de remédios sem identificação: Polícia Civil prende homem suspeito de manter companheira em cárcere privado em Nova Iguaçu

As mortes em confronto com a polícia tiveram aumento de 13% em setembro deste ano: foram 87, contra 77 no mesmo mês de 2021. No acumulado dos nove primeiros meses do ano, porém, o índice apresentou queda de 8%.

Os registros de estelionato mantiveram a tendência de alta apresentada ao longo do ano. No acumulado de janeiro a setembro, houve 95.194 ocorrências do crime, aproximadamente 350 por dia, em média. O número é 101% maior do que os 47.362 casos registrados nos nove primeiros meses de 2021 e o maior da série histórica, iniciada em 2003.

Afastada das funções: Delegada Adriana Belém está com tornozeleira eletrônica após ser solta

Os casos de estelionato já superaram o total de roubos e ficam, atualmente, atrás apenas dos registros totais de furtos, que somaram 121.881 ocorrências entre janeiro e outubro deste ano — apresentando um crescimento de 48% em relação ao mesmo período de 2021.

Apesar de o total de roubos apresentar uma tendência de queda entre janeiro e setembro, este último mês, isoladamente, teve um crescimento no índice. Comportamento semelhante tiveram os registros de roubo de veículo: os 2.206 casos de setembro representam um aumento de 10% em relação ao mesmo mês do ano passado mas, no acumulado do ano, a queda foi de 6%, na comparação com 2021.

Tiro na cabeça em fuga: MPRJ denuncia suspeito por morte de atriz em tentativa de roubo no Rio