Número de pessoas com demência deve chegar a 78 milhões até 2030, alerta OMS

·1 minuto de leitura
Diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus

Por Stephanie Nebehay

GENEBRA (Reuters) - Mais de 55 milhões de pessoas de todo o mundo estão vivendo com demência, um problema neurológico que as priva de sua memória e custa ao mundo 1,3 trilhão de dólares por ano, disse a Organização Mundial da Saúde (OMS) nesta quinta-feira.

A doença progressiva pode ser causada por derrames, lesões cerebrais ou Mal de Alzheimer. Como as populações envelhecem, projeta-se que o número de vítimas chegará a 78 milhões até 2030 e a 139 milhões até 2050, alertou a OMS em um relatório.

Só um em cada quatro países tem uma diretriz nacional em vigor para apoiar pacientes com demência e suas famílias, disse a agência, pedindo aos governos que reajam ao desafio de saúde pública.

"A demência priva as pessoas de suas lembranças, independência e dignidade, mas também priva o resto de nós das pessoas que conhecemos e amamos", disse o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus.

"O mundo está falhando com as pessoas com demência, e isto fere todos nós."

Em 2015, ministros da Saúde concordaram com um plano de ação global, incluindo diagnósticos precoces e cuidados, mas estão aquém das metas programadas até 2025, segundo a entidade.

"A demência é verdadeiramente uma preocupação de saúde pública global, e não somente em países de renda alta. De fato, mais de 60% das pessoas com demência vivem em países de baixa e média renda", explicou Katrin Seeher, especialista do departamento de saúde mental da OMS, em uma entrevista coletiva.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos