Número de pessoas presas no estado do Rio quase triplicou em 2022, diz Disque Denúncia

Cerca de 699 criminosos foram presos com ajuda do programa Disque Denúncia entre janeiro e dezembro de 2022, quase três vezes mais que no ano anterior. Foram, ao todo, 84 mil denúncias anônimas da população sobre atividades criminosas no estado do Rio. Os dados foram apresentados pelo Instituto MovRio.

Prateleiras esvaziadas: Grupo de idosos dá prejuízo de R$ 70 mil à farmácia furtada na Zona Norte do Rio; veja vídeo

Orochi: Seguranças do rapper, presos por porte ilegal de arma, são alvos de investigação da PM

O Disque Denúncia divulgou, nesta terça-feira, o balanço anual de registros feitos no canal. Em 2022, foram apreendidas 450 armas de fogo, entre fuzis, pistolas e revólveres. O número representa o dobro, se comparado ao ano anterior.

Além disso, foram apreendidas com informações do programa aproximadamente 1,5 tonelada de drogas, 2202 maços de cigarros contrabandeados e 1522 máquinas caça-níqueis. Ao todo, 148 veículos também puderam ser recuperados pela polícia com a ajuda das informações.

O programa Procurados também ajudou a polícia a localizar e prender 207 foragidos da Justiça do Rio. Em alguns casos, os foragidos estavam até mesmo em outros estados do país. Por outro lado, a localização de desaparecidos também teve apoio do canal. Foram 112 pessoas encontradas e levadas para perto de suas famílias novamente.

Com o programa Cidades, o Disque Denúncia esteve, durante o ano, nas cidades de Angra dos Reis e Maricá, onde registrou quase duas mil denúncias. Nesses municípios, foram apreendidas 27 armas de fogo, 97 quilos de maconha, 32 quilos de cocaína e 636 pedras de crack. 26 criminosos foram presos.

Linha Verde

Com foco nas denúncias de crimes ambientais, o Programa Linha Verde do Disque Denúncia registrou, no ano passado, um aumento de 11% com relação a 2021. Foram aproximadamente 20 mil denúncias sobre extração irregular de árvores, desmatamento florestal, guarda e comércio ilegal de animais silvestres, comércio e soltura de balões, uso e comércio de linha chinela e maus tratos contra animais.

Diretor-geral do Instituto MovRio e coordenador-geral do Disque Denúncia, Renato Almeida reforça que os resultados são fruto da parceria com a população.

— Os resultados do Disque Denúncia mostram a colaboração incansável da sociedade civil, das instituições policiais, da imprensa e de patrocinadores. O Disque Denúncia é de todos nós — afirma.