Números de mortos por coronavírus não param de subir na Espanha

O GLOBO, com agências internacionais

A Espanha está em alarme há semana, o que significa que os cidadãos só podem comprar bens essenciais, acompanhar pessoas dependentes ou ir trabalhar, para aqueles que não podem fazê-lo em casa. O estado de alarme permanece em princípio por mais uma semana, embora o governo de Pedro Sánchez tenha avisado que provavelmente terá que ser prolongado. O Ministério da Saúde da Espanha anunciou 324 novas mortes por coronavírus, elevando o número total de mortes para 1.326 e o número de infectados atingindo 25 mil. O número de mortos aumentou 32,3% em um dia, uma taxa semelhante à de sexta-feira, quando a barreira de 1.000 falecidos foi ultrapassada. O número oficial de casos acumulados (24.926) é 24,75% superior ao indicado na sexta-feira. Segundo o Ministério da Saúde, existem 2.125 pacientes que foram curados. Atualmente, a Espanha é o terceiro país do mundo com mais casos relatados de coronavírus, atrás apenas da China e da Itália, mas os números dependem dos métodos e da capacidade de cada país para realizar testes. A região mais atingida é Madri, onde vivem 6,5 milhões de pessoas e 35,8% dos casos estão concentrados.

A situação sobrecarregou algumas unidades de terapia intensiva em Madri e na Catalunha, a segunda região mais afetada. Profissionais de saúde relatam uma falta premente de material de proteção individual (luvas ou máscaras) e uma redução preocupante na equipe devido a infecções na categoria.