Na CBN, Simone Tebet errou dados sobre a educação na pandemia

Simone Tebet em reunião do MDB, em Brasília, em 8 de dezembro de 2021 (Foto: Reuters / Adriano Machado)
Simone Tebet em reunião do MDB, em Brasília, em 8 de dezembro de 2021 (Foto: Reuters / Adriano Machado)
  • Pré-candidata à Presidência Simone Tebet participou de entrevista realizada pela CBN na última quarta-feira (22)

  • Tebet falou sobre sua visão e projetos relativos à erradicação da fome, atração de investimentos internacionais e educação

  • Ao citar informações sobre a educação na pandemia, a pré-candidata errou

Na última quarta-feira (22) a CBN entrevistou a pré-candidata Simone Tebet (MDB), a advogada, professora e senadora, em meio à sua série de entrevistas com os presidenciáveis. O primeiro entrevistado foi Ciro Gomes (PDT). Suas declarações também foram verificadas pela reportagem do Yahoo! Notícias.

Jair Bolsonaro (PT) e Luiz Inácio Lula da Silva (PT) foram igualmente convidados, mas não confirmaram presença.

Confira a análise do Yahoo sobre algumas das afirmações de Simone Tebet.

Simone Tebet durante entrevista organizada pela CBN, em 22 de junho de 2022 (Foto: YouTube / Reprodução)
Simone Tebet durante entrevista organizada pela CBN, em 22 de junho de 2022 (Foto: YouTube / Reprodução)

Educação na pandemia

"Na pandemia, nós tivemos nossas crianças afastadas da escola por dois anos. Isso não aconteceu em nenhum lugar do mundo"

Pré-candidata à Presidência, Simone Tebet (MDB), em sabatina em 22 de junho de 2022

De acordo com levantamento da Unesco, as escolas não ficaram fechadas no Brasil por dois anos. A emergência de saúde pública em razão da covid-19 foi declarada no país em 3 de fevereiro de 2020. As aulas totalmente presenciais foram retomadas em, ao menos, quatro estados, até outubro de 2021, menos de dois anos desde o início da pandemia.

Em outubro de 2021, por exemplo, as aulas 100% presenciais foram retomadas em Rio de Janeiro, Mato Grosso do Sul, Goiás e Bahia. Até novembro de 2021, 25 estados já haviam retomado as aulas 100% presenciais ou híbridas, de acordo com dados da UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura).

Já em outros países, de acordo com dados do UNICEF (Fundo das Nações Unidas para a Infância), cerca de 150 países fecharam suas escolas e outros 10 as fecharam parcialmente. Desses locais, 23 não haviam reaberto as escolas total nem parcialmente até março de 2022.

Dentre os países afetados com as maiores suspensões das aulas presenciais estiveram Uganda, Bolívia e Índia. A Uganda, por exemplo, reabriu as escolas apenas em janeiro de 2022.

As declarações de Simone Tebet também foram analisadas pelo Fato ou Fake.