Na China, médicos contaminados atuam na linha de frente do combate à covid

Na China, em hospitais saturados pela pior onda de covid-19 que o país já viveu, médicos infectados trabalham sem trégua no tratamento de pacientes idosos.

Três anos após a detecção dos primeiros casos de coronavírus em Wuhan (centro), o país enfrenta uma explosão de contágios, desde o fim súbito da maioria das restrições de saúde no início de dezembro.

As autoridades já admitiram que a extensão da epidemia atualmente é "impossível" de determinar: os testes não são mais obrigatórios e os dados fragmentados.

Em pouco tempo, o sistema de saúde se viu sobrecarregado, as farmácias ficaram sem medicamentos contra a febre, enquanto os crematórios enfrentam um grande fluxo de corpos.

No hospital Nankai de Tianjin (norte), cidade portuária localizada a 140 quilômetros de Pequim, a AFP contabilizou 20 idosos deitados em macas no serviço de emergência.

A maioria recebe medicação intravenosa, outros apresentam grande dificuldade respiratória, enquanto alguns parecem meio ou totalmente inconscientes.

"Todos têm covid", disse um médico à AFP, enquanto um colega lamentava a falta de leitos disponíveis.

O serviço de emergência está mais congestionado do que o habitual "por causa da epidemia", ressalta outro médico.

Depois de testar positivo para o coronavírus, ele precisa continuar trabalhando, como "quase todos".

Apesar de uma onda de contaminação em escala sem precedentes, as autoridades de saúde chinesas acabaram com a publicação diária dos números da covid.

Com o fim dos testes generalizados e a decisão das autoridades de alterar a definição de morte por coronavírus, as estatísticas parecem estar totalmente desfasadas da realidade.

Em um departamento específico para pacientes com febre, médicos se esforçam para supervisionar quase 30 pacientes por vez, a maioria idosos.

De seu leito, uma senhora idosa geme. "Tente não se mexer muito", sussurra um homem a ela.

- "Quatro horas de espera" -

Em um hospital próximo, a AFP observou uma pessoa morta sendo retirada do ambulatório.

Mais de 25 pessoas, também de idade avançada, estavam deitadas em leitos improvisados nos corredores estreitos do pronto-socorro.

Entre elas, pacientes em soro ou inerte. Mas também pessoas tremendo de frio, apesar de seus gorros de lã e cobertores grossos.

Alguns sufocam um ataque de tosse em suas máscaras. Cilindros de oxigênio azuis são visíveis.

Os enfermeiros movimentam os pacientes em macas ou cadeiras de rodas, tentando não esbarrar em outros pacientes.

Na sala de reanimação, os médicos estão ocupados ao redor de um paciente idoso, conectado a máquinas que medem seus sinais de vida.

Seguranças garantem do lado de fora que a espera por uma consulta ocorra em paz.

Um funcionário do hospital confirmou à AFP que a maioria dos pacientes internados no pronto-socorro desenvolveu complicações relacionadas à covid.

Num canto, um homem passa um chumaço de algodão embebido em água nos lábios ressecados de uma senhora idosa. Deitada numa maca, ela respira com dificuldade.

No meio do incessante balé de ambulâncias, um idoso, que diz estar com covid, apresenta-se à entrada do hospital.

"Há uma espera de quatro horas para consultar um médico", responde um funcionário. À sua frente, já aguardam "300 pessoas", aponta.

As cenas estão longe de serem casos isolados. A AFP testemunhou situações semelhantes em Xangai, a capital econômica, assim como em Chongqing, uma grande cidade-metrópole no sudoeste da China, onde o fluxo de pacientes também está sobrecarregando o sistema de saúde.

bur-mjw-oho/je/qan/tmt/sbr/prh/mr