Na contramão das pesquisas, Conselho Regional de Medicina do DF se diz contrário ao lockdown

João de Mari
·2 minuto de leitura
People wait for their orders at a restaurant limited to pick-up on the first day of a two-week-long lockdown to curb the spread of COVID-19 in Brasilia, Brazil, Monday, March 1, 2021. It’s the second lockdown since the start of the pandemic one year ago. (AP Photo/Eraldo Peres)
Nas redes sociais, o cientista politico pela Universidade de Brasília (UnB), Gabriel Elias, atribuiu o episódio a uma “piada do bolsonarismo impregnado na classe médica” (Foto: AP Photo/Eraldo Peres)

Ao contrário do que preconizam diversas pesquisas de que o lockdown é uma das melhores soluções para barrar a disseminação da Covid-19, o Conselho Regional de Medicina do Distrito Federal (CRM-DF) se posicionou contra o decreto que instaurou um lockdown em Brasília e cidades-satélite desde domingo (28).

“O CRM-DF é contra o lockdown como medida para controle da transmissão do Sars-Cov-2”, diz trecho do documento enviado ao governador Ibaneis Rocha (MDB). No documento, a entidade diz ainda que o lockdown “já se mostrou ineficaz” e “atenta contra os direitos fundamentais da Carta Magna”.

Leia também

Nas redes sociais, o cientista politico pela Universidade de Brasília (UnB), Gabriel Elias, atribuiu o episódio a uma “piada do bolsonarismo impregnado na classe médica”.

“Mais uma pro anedotário do bolsonarismo impregnado na classe médica: Com o sistema de saúde do DF entrando em colapso, o conselho regional de medicina oficia o Governador se posicionando contra o lockdown”, escreveu Gabriel.

Na última sexta-feira (26), presidente Jair Bolsonaro (sem partido) criticou os governantes que decretaram lockdown por diversas cidades brasileiras para tentar conter o avanço da Covid-19, durante evento no Ceará.

Bolsonaro chegou a dizer que “esses que fecham tudo estão na contramão do que o povo quer”.

Leia documento na íntegra.

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Maior número de mortes

O Brasil enfrenta o maior número de mortes e casos da doença durante toda pandemia. Para se ter ideia na gravidade do problema, mesmo com dias a menos, fevereiro se tornou o segundo mês com mais mortes por Covid-19 desde o início do coronavírus no Brasil.

Segundo dados do consórcio de veículos de imprensa, recolhidos junto às secretarias de Saúde, em 28 dias morreram 30.484 brasileiros em decorrência do coronavírus.

O mês só ficou atrás de julho de 2020, mês com três dias a mais, quando 32,9 mil pessoas morreram. Fevereiro foi, também, o terceiro mês em que as mortes de superam o mês anterior.

Empresários pedem fim do lockdown

Na manhã desta segunda-feira (1º), pelo segundo dia consecultivo, empresários se reuniram para manifestar no Distrito Federal, em Brasília, contra as medidas restritivas para evitar a disseminação da Covid-19.

Com máscaras usadas de forma errada e cartazes com dizeres que falavam sobre o "luto do comércio", os empresários pediam o fim do lockdown na região. As medidas foram adotadas na capital do país após o sistema de Saúde local beirar o colapso pela alta de casos da covid-19.

Dados da Saúde, mostram que quase 5 mil pessoas morrem pela Covid-19 no DF e há mais de 296 mil casos confirmados da doença.