Na equipe de transição de Lula, Renan e Jader tentarão evitar apoio do PT a Lira

Indicados para o conselho político da equipe de transição do presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT), os senadores Renan Calheiros (MDB-AL) e Jader Barbalho (MDB-PA) vão atuar para reverter o apoio do PT à reeleição de Arthur Lira (PP-AL) para o comando da Câmara dos Deputados.

Leia: MDB indica Renan Calheiros e Jader Barbalho para conselho político de transição de Lula

A escolha dos dois nomes não foi à toa, segundo apurou o GLOBO. Fora o presidente nacional da legenda, deputado Baleia Rossi, Calheiros e Barbalho são as duas principais lideranças do partido hoje.

Calheiros têm apostado na formação de um bloco junto ao União Brasil para evitar a reeleição de seu rival histórico. O plano inicial do senador alagoano previa também o apoio do PSD, ideia que se enfraqueceu após aproximação de Lira com Gilberto Kassab (PSD).

Junto a nomes como o senador Eunício Oliveira (MDB), Calheiros quer convencer Lula a adotar um plano B à PEC de Transição, saída encontrada pela campanha do presidente eleito para abrir espaço no orçamento e bancar propostas como o Bolsa Família no valor de R$ 600. Segundo os emedebistas, é possível garantir a verba por meio de uma consulta ao Tribunal de Contas da União (TCU).

Mesmo se Lula insistir na ideia de aprovar a PEC, Calheiros diz que ninguém votará contra o projeto, dado o seu interesse nacional.

Na campanha eleitoral, o senador alagoano foi um dos maiores apoiadores de Lula dentro do MDB. Ele chegou a se posicionar contra a candidatura de Simone Tebet (MDB-MS), que hoje também faz parte da equipe de transição.

O senador tem uma disputa histórica com Lira. Neste ano, seu candidato ao governo do Alagoas, Paulo Dantas (MDB), foi para o segundo turno contra o nome apoiado pelo presidente da Câmara dos Deputados.

Calheiros sustenta que, com Lira à frente da Câmara, Lula dificilmente conseguirá acabar com o Orçamento Secreto, promessa de sua campanha.