Na esteira do movimento negro, estampas coloridas com motivos afros são uma tendência

·2 min de leitura

O orgulho das raízes africanas chegou para ficar e deixar as casas mais bonitas e coloridas. A decoração afro, repleta de referências ancestrais, se tornou tendência no mercado nacional na esteira dos movimentos de valorização da raça. Baseado nas culturas de diversos povos da África, esse estilo decorativo transmite alegria pela mistura de cores dos tecidos, que, quando combinados a tons pastéis, trazem calor e conforto ao dia a dia.

Fundadora da marca Ayó Moda e Design (@ayomodacasa), Monique dos Santos explica que as principais características da decoração afro são o uso de estampas coloridas em tecidos de motivos africanos, que podem ser industrializados, como o “wax print”, ou artesanais, como o “bogolans”, versão surgida em Burkina Faso e Mali, países da África Ocidental. Os tecidos podem estar presentes em diversos acessórios da casa, como luminárias, almofadas, mantas, pufes e roupas de cama.

Monique acredita que a valorização da decoração afro parte de uma busca de apropriação da identidade pela população negra, que se reflete nos lares.

— A decoração afro tem muito mais da nossa identidade brasileira e reflete, portanto, a cara dos donos das casas — afirma.

Já para Alexia Sant’Anna, criadora de outra empresa de decoração, a Mimos BantuNagô (@mimosbantunago), o sucesso dos produtos de referência africana é fruto da conscientização dos negros sobre a necessidade de suprir lacunas de suas raízes:

— O trabalho que realizo a partir da decoração tem como objetivo resgatar e fazer a conexão com o continente africano e, assim, resgatar a nossa história. Essa reconexão nos fortalece.

A decoradora Monique dos Santos lembra, que além dos tecidos, os objetos artesanais em madeira, cerâmica e barro, além de cestaria instalada na parede são itens marcantes na decoração afro.

‘Animal print’ não é afro

Porém, a profissional adverte que nem tudo o que é apresentado como decoração afro o é de fato. Esse é o caso dos tecidos chamados de “animal print”, com estampas de animal.

— Apesar de os animais ainda serem representados em pinturas e esculturas em alguns países africanos, não significa que devemos cair no estereótipo de entender que as estampas de onça, zebra e outros são pertencentes à essa decoração. Se você ama essas estampas e quer compor com elas, fique à vontade para tal, mas vale lembrar que elas não fazem parte das principais características de uma decoração afro — frisa.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos