Na Globo, Sabrina Sato conta que ficou insegura após boatos de estreia na TV aberta

Sabrina Sato em evento da Sephora no Copacabana Palace (ROBERTO FILHO / BRAZIL NEWS)
Sabrina Sato em evento da Sephora no Copacabana Palace (ROBERTO FILHO / BRAZIL NEWS)

Após retornar para a Globo para comandar o "Saia Justa", na GNT, Sabrina Sato observou seus fãs e alguns veículos de imprensa falarem sobre uma possível estreia da apresentadora na TV aberta. Em conversa com o Yahoo, Sabrina garantiu que ficou lisonjeada e feliz com a confiança dos fãs, mas que a insegurança acabou batendo em alguns instantes.

"Fui muito feliz com a especulação, com a vontade das pessoas pedindo, dos fãs. E acho que tudo em um momento certo, tudo tem hora certa. Mas fico muito feliz com essa torcida. Eu acho que essa torcida faz toda a diferença e sempre fez na minha carreira, porque às vezes nem a gente acredita na gente, às vezes a gente tá meio, 'ah, será que eu tenho talento? Será que isso? Será que aquilo?' Em vários momentos, todos nós passamos por momentos de provação na nossa trajetória, e essa força que a gente recebe faz toda a diferença e nos motiva a continuar", agradeceu.

Muito elogiada por sua desenvoltura, bom humor e talento à frente do "Saia Justa", Sabrina afirmou que sente que cresceu tanto em sua trajetória profissional quanto na vida pessoal. "´É uma troca muito legal, porque temos a oportunidade de viver todos os temas que a gente aborda no Saia. Não é só na quarta-feira que estamos lá, começamos a debater e conversar sobre os temas na sexta, até chegar na hora do programa. E daí vemos histórias nossas de vida, memórias, e você acaba vivendo tudo isso e até resolvendo traumas na sua cabeça. Isso aqui vira uma terapia também".

Além de Sabrina, o programa é apresentado por Astrid Fontenelle, Larissa Luz e Luana Xavier.

Já experiente e veterana na TV, Sabrina explicou que tenta não se prender à expectativa das pessoas sobre ela. "Não quero mostrar nada para as pessoas, elas que estão vendo. Não podemos nos prender porque gostamos de uma pessoa de um modo x. Ela tem que ser livre, ela tem que fazer o que tem vontade, independente do que as pessoas vão gostar ou deixar de gostar. Acho que a gente tem que ser livre pra fazer, viver novas experiências, viver outras versões nossas".