Na mira da CPI da Covid, Carlos Bolsonaro reage e ataca governadores

·2 minuto de leitura
Carlos Bolsonaro, son of Brazil's President Jair Bolsonaro looks on during a meeting between Argentina's President Mauricio Macri and Brazil's President Jair Bolsonaro at the Planalto Palace in Brasilia, Brazil January 16, 2019. REUTERS/Ueslei Marcelino
Vereador Carlos Bolsonaro pode ser chamado para depor à CPI da Covid no Senado (Foto: REUTERS/Ueslei Marcelino)
  • Carlos Bolsonaro reagiu à possibilidade de ser convocado para depor na CPI da Covid no Senador

  • Vereador voltou a pedir investigação de governadores e prefeitos

  • Carlos pode ter sigilos quebrados pela CPI

Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ) está na mira da CPI da Covid no Senado. O vereador pelo Rio de Janeiro reagiu à possibilidade de depois à Comissão Parlamentar de Inquérito. Para o filho do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), a “narrativa” que o coloca como alvo é “descabida”.

“Querem mudar o foco, sempre com suas narrativas descabidas, para que esqueçamos a questão que todos querem saber! Sabem quando vou parar? Nunca!”, escreveu Carlos nas redes sociais.

Leia também

O “02” também compartilhou um vídeo questionando “aonde foram parar os bilhões de reais enviados pelo governo federal a estados e municípios para o combate a covid-19”. Desde que a CPI foi instalada, apoiadores do presidente Jair Bolsonaro têm usado a estratégia de colocar governadores e prefeitos como alvo, na tentativa de dividir as atenções.

Na última segunda-feira (17), o senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) entrou com um requerimento para que Carlos seja convocado para depor na CPI da Covid no Senado. O parlamentar pediu ainda a quebra de sigilos bancário, fiscal, telefônico e telemático.

O pedido do senador se deve ao chamado “Ministério da Saúde paralelo”, um grupo informar que aconselhava o presidente Jair Bolsonaro sobre como lidar com a pandemia de covid-19 no Brasil, mesmo sem relação com a verdadeira pasta.

“A potencial existência de um ‘Ministério da Saúde' paralelo, responsável por aconselhar extraoficialmente o presidente da República quanto às medidas de combate da pandemia, deve ser amplamente esclarecida quanto à extensão de sua atuação, à periodicidade de encontros e reuniões, aos membros que dele participavam, ao conteúdo das discussões e ao efetivo poder de cada qual no convencimento para a tomada de decisões”, justifica o senador Alessandro Vieira.

O pedido do parlamentar do Cidadania fez os requerimentos após o depoimento do presidente da Pfizer na América Latina, Carlos Murillo. À CPI da Covid no Senado, Murillo revelou que Carlos Bolsonaro participou de uma reunião para negociar vacinas no Palácio do Planalto.