Na mira do STF, líder de atos golpistas colocou 27 tratores no 7 de Setembro

Empresário Julio Nunes conseguiu colocar tratores no desfile-cívico do 7 de Setembro após pedido em e-mail para o Ministério da Defesa. (Foto: REUTERS/Ueslei Marcelino)
Empresário Julio Nunes conseguiu colocar tratores no desfile-cívico do 7 de Setembro após pedido em e-mail para o Ministério da Defesa. (Foto: REUTERS/Ueslei Marcelino)
  • Após pedido a Defesa, produtor rural incluiu tratores no desfile cívico-militar do 7 de Setembro

  • Julio Nunes é investigado por suposto abuso de poder econômico;

  • Comerciante é apontado como uma das lideranças dos atos golpistas após a derrota de Bolsonaro

O produtor rural e comerciante Julio Augusto Gomes Nunes é uma das pessoas identificadas pelas autoridades de segurança do Mato Grosso do Sul por liderar protestos golpistas após o resultado do segundo turno das eleições.

Antes disso, em agosto deste ano, o bolsonarista pediu e foi atendido pelo Ministério da Defesa na solicitação para incluir 27 tratores no desfile cívico-militar do dia 7 de Setembro. As informações são da colunista Malu Gaspar, do Jornal O Globo.

Na época, o evento acabou sendo transformado numa oportunidade de campanha para o presidente Jair Bolsonaro (PL) que tentou reeleição mas foi derrotado por Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Em uma mensagem de 15 linhas, o empresário conseguiu colocar as máquinas no desfile do bicentenário. Ao lado do próprio presidente da República, do ex-candidato a vice, Braga Netto, do Pastor Silas Malafaia e de Luciano Hang, dono das Lojas Havan, Julio Nunes é um dos 18 investigados pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que apura se houve abuso de poder político, econômico e uso indevido dos meios de comunicação no evento.

O ofício foi enviado pelo produtor rural no dia 18 de agosto para o chefe de gabinete do ministro da Defesa, Marcio de Souza Nunes Ribeiro. No texto, Julio diz que cada trator estaria representando simbolicamente um dos estados da federação. Ele se identifica como coordenador de apoio no Distrito Federal do Movimento Brasil Verde e Amarelo.

O material consta no processo que tramita no TSE. Segundo a colunista, que teve acesso ao texto, o bolsonarista alega que os produtores bancaram o gasto do envio dos tratores para Brasília e “jamais” teve qualquer contato ou convite de Bolsonaro para o feito.

As máquinas efetivamente estiveram presentes no desfile, mas não consta no processo nenhuma resposta oficial da Defesa sobre o pedido.

Protestos golpistas

Além de ser alvo do TSE, Julio está na mira do Supremo Tribunal Federal (STF) após ser mencionado em relatório de inteligência produzido pela Secretaria de Segurança Pública de Mato Grosso do Sul, que o incluiu entre as lideranças de protestos antidemocráticos na frente de quartéis e em rodovias, conforme revelou o Estadão.

Nas redes sociais, o produtor rural publica fotos ao lado do presidente Jair Bolsonaro, da primeira-dama, Michelle e até com o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL).