Na Páscoa, Papa pede a Deus que console enfermos, pessoas em luto e desempregados

·3 minuto de leitura

CIDADE DO VATICANO — Em sua mensagem de Páscoa neste domingo, o Papa Francisco pediu aos países que acelerem a distribuição de vacinas contra Covid-19, especialmente para os pobres do mundo, e disse que conflitos armados e os gastos militares durante uma pandemia são "escandalosos".

Com o novo coronavírus, este é o segundo ano consecutivo em que os serviços papais da Páscoa têm apenas pequenos grupos em um altar secundário da Basílica de São Pedro, em vez de multidões na igreja ou na praça do lado de fora.

Depois de celebrar a missa, Francisco leu sua mensagem "Urbi et Orbi" (à cidade e ao mundo), na qual tradicionalmente faz uma revisão dos problemas mundiais e um apelo pela paz.

“A pandemia ainda está se espalhando, enquanto a crise social e econômica continua severa, especialmente para os pobres. No entanto — e isso é escandaloso — os conflitos armados não acabaram e os arsenais militares estão sendo fortalecidos”, disse.

Francisco, que normalmente teria feito o discurso para até 100 mil pessoas na Praça de São Pedro, falou para menos de 200 na igreja enquanto a mensagem era transmitida online para dezenas de milhões em todo o mundo.

A praça estava vazia, exceto por alguns policiais que impunham um rígido bloqueio nacional de três dias.

O Papa pediu a Deus que console os enfermos, os que perderam um ente querido e os desempregados, exortando as autoridades a dar às famílias mais necessitadas um "sustento decente".

Ele elogiou os trabalhadores médicos, se solidarizou com os jovens que não podem frequentar a escola e disse que todos foram chamados para combater a pandemia.

“Exorto toda a comunidade internacional, em um espírito de responsabilidade global, a se comprometer a superar os atrasos na distribuição de vacinas e a facilitar sua distribuição, especialmente aos países mais pobres”, disse ele.

Francisco, que muitas vezes pediu o desarmamento e a proibição total da posse de armas nucleares, disse: “Ainda há muitas guerras e muita violência no mundo! Que o Senhor, que é a nossa paz, nos ajude a superar a mentalidade de guerra. "

Observando que era o Dia Internacional da Conscientização contra as minas terrestres antipessoal, ele chamou essas armas de "dispositivos traiçoeiros e horríveis ... como nosso mundo seria muito melhor sem esses instrumentos de morte!"

Ao mencionar as áreas de conflito, ele enalteceu "os jovens de Mianmar empenhados em apoiar a democracia e fazer com que suas vozes sejam ouvidas pacificamente". Mais de 550 manifestantes foram mortos desde o golpe militar de 1º de fevereiro em Mianmar, visitado pelo papa em 2017.

Francisco apelou à paz em várias áreas de conflito em África, incluindo a região de Tigray no norte da Etiópia e a província de Cabo Delgado em Moçambique. Ele disse que a crise no Iêmen foi "recebida com um silêncio ensurdecedor e escandaloso".

Ele apelou aos israelenses e palestinos para "redescobrir o poder do diálogo" para chegar a uma solução de dois Estados onde ambos possam viver lado a lado em paz e prosperidade.

Francisco disse que percebeu que muitos cristãos ainda eram perseguidos e pediu que todas as restrições à liberdade de culto e religião em todo o mundo fossem suspensas.