Na Rússia, Túmulo de Lenin é fechado ao público para evitar contágio de novo coronavírus

O Globo e agências internacionais

MOSCOU — A Rússia fechou ao público, nesta quarta-feira, o túmulo do líder bolchevique Vladimir Lenin, na Praça Vermelha, em Moscou. A informação é da Guarda Federal russa; a medida é a mais recente do governo russo para evitar novos contágios da Covid-19 no país.

A guarda — que faz a segurança do Kremlin e do presidente russo, Vladimir Putin — anunciou que a tumba, onde está o corpo embalsamado do revolucionário, vai passar por uma manutenção durante o tempo que ficar fechada. A corporação não informou por quando tempo o local será interditado.

Também será fechada a Necrópole da Muralha do Kremlin, onde estão enterrados líderes soviéticos como Josef Stalin. A agência de notícias Interfax disse que o fechamento faz parte das medidas que a capital russa estava tomando para tentar impedir a propagação do novo coronavírus.

Oficialmente, a Rússia deixou de ter um regime comunista quando a União Soviética entrou em colápso, em 1991. Porém, o túmulo de Lenin continua sendo uma das atrações mais populares do país.

Inúmeros museus, incluindo o Museu Pushkin de Moscou e a Galeria Tretyakov, e teatros, incluindo o Bolshoi, fecharam suas portas ao público nesta semana como precaução contra o coronavírus. Até o momento, a Rússia registrou 147 casos confirmados de Covid-19 e não houve nenhuma morte — um cenário mais positivo do que outros países do continente.