Na Rússia, médico mata, desmembra e cozinha partes do corpo de jovem trans

Reprodução

Um médico russo foi acusado de matar, desmembrar e inclusive “cozinhar” as partes do corpo de uma mulher transexual, na cidade de Kursk, Rússia.

O criminoso é um homem de 27 anos, que confessou o crime à polícia. A vítima era Nina Surgutskaya, de 25 anos, registrada com identidade feminina pelas autoridades locais. As informações são do jornal Daily Mail.

Nina e Mikhail Tikhonov marcaram um encontro que terminou na casa da mulher. Quando começaram a ter relações sexuais, o homem percebeu que Nina havia passado por uma cirurgia de mudança de sexo. Em seguida, ele asfixiou a jovem, na própria cama em que eles estavam.

Para se livrar das provas do crime, Tikhonov desmembrou o corpo de sua vítima, cortando os órgãos internos em partes menores e depois despejando-os no vaso sanitário.

Segundo relatou aos investigadores, ele também teria “cozinhado” o corpo da jovem, colocando outras partes de seu corpo no forno, para “evaporar o excesso de líquido”. As partes levadas ao fogão também foram dispensadas no vaso sanitário e o médico negou que pratique canibalismo.

Tikhonov colocou a cabeça e os membros da vítima em uma mala e levou para o seu apartamento. Ele foi detido por policiais enquanto tentava se desfazer das costelas da jovem, que seriam jogadas em latas de lixo.

A polícia informou que “Nina o convidou para seu apartamento. Eles continuaram a ingerir bebidas alcoólicas e começaram a relação sexual, quando o médico percebeu que ela havia passado por cirurgia.

Ela tentou continuar, momento em que Tikhonov a agarrou na altura do pescoço e apertou. Parou apenas quando não havia mais sinais de vida da moça”.

O médico pode pegar até 20 anos de prisão, se for condenado pelos crimes de assassinato e mutilação de cadáver.