Na semana decisiva para o país, aumenta procura por serviços de relaxamento

Para muita gente, o período eleitoral pode ser estressante. A incerteza sobre quem irá ocupar o cargo mais alto do país, as discussões acaloradas entre amigos e o grande volume de notícias sobre o assunto podem gerar picos de ansiedade e estresse.

Nesses momentos de nervosismo elevado, buscar práticas de bem-estar pode ser um ponto de refúgio. Um fenômeno tem sido observado pelos centros de beleza, estética e saúde com a proximidade das eleições: o aumento da procura por procedimentos de relaxamento como massagens, acupuntura e reflexologia.

No Rio, um espaço notou aumento de 25% na demanda por este tipo de atendimento entre o primeiro e segundo turnos. Em outro estabelecimento, após o primeiro pleito, foram contratados três novos profissionais dar conta do SPA dos pés.

O massagista e acupunturista Max Carvalho atende no Largo do Machado e percebeu que o fluxo de clientes está maior que o habitual. Ele costumava atender em torno de sete pessoas por dia, mas tem fechado a agenda com dez atendimentos diários. Outros procedimentos, como ventosaterapia e moxaterapia, também tiveram alta na procura.

— Eu não atendo aos sábados, e esta semana, especificamente, houve muitas solicitações de atendimento na véspera da eleição. Mesmo assim decidi encerrar na sexta e tirar um tempo para mim nesse dia, porque também preciso cuidar do meu bem-estar — disse o terapeuta, que observou que os clientes têm se mostrado mais agitados emocionalmente.

No salão Maison Meyer, no Méier, a procura é por massagem relaxante, massagem para o couro cabeludo, escalda pés e reflexologia nos pés. O dono do espaço, Eduard Fernandes, diz que tem evitado tocar no assunto política para não aumentar a ansiedade da clientela.

O que surpreendeu os sócios do salão foi o aumento da busca por massagem nos pés, um movimento que começou após o primeiro turno das eleições. Segundo Fernandes, clientes optaram pelo SPA dos pés após passar muito tempo em pé na fila da seção eleitoral para votar e, com queixas de dores e problemas de circulação, marcaram o procedimento.

— A faixa etária dos 55 anos, em média, é a que mais apareceu com esse tipo de demanda. No segundo turno, quem passou por isso resolveu se adiantar e marcou a sessão já antes da eleição, como forma de prevenção — diz.

Uma delas é Cristina Fernandes, de 50 anos. A empresária já era cliente do salão e ficou por cerca de duas horas em pé na espera para a votação. Temendo um segundo turno demorado como o anterior, ela aproveitou para adiantar o procedimento e evitar dores e desconforto.

Em Ipanema, o salão Care precisou contratar mais três profissionais de reflexologia no mês de outubro para dar conta da quantidade de procedimentos de SPA dos pés. A proprietária Ivani Werneck não bate o martelo, mas acredita que as eleições tenham influenciado na busca pelo serviço.

— Vejo que as mulheres estão sobrecarregadas no geral: são mães, trabalham fora e em casa. Aqui vêm muitas empresárias, que parecem preocupadas com o caminho da política. Elas se sentem mais estressadas por conta da incerteza, porque está muito empatado, não se sabe quem vai vencer. Por isso, proporcionamos um momento só delas, para focar apenas em relaxar — comenta Ivani.

A sessão de reflexologia nos pés é feita com três óleos essenciais. No Care, o mais pedido “disparado”, segundo a proprietária, é o de lavanda, que possui propriedades calmantes. A cliente Alexandra Evangelista, de 47 anos, contudo, se sente mais calma com o óleo de alecrim:

— Ele me traz frescor, uma sensação de contato com a natureza. Geralmente venho ao salão fazer o cabelo e as unhas, mas desta vez precisei me desconectar do estresse desse período. A gente já vem com o psicológico abalado por causa da pandemia e acaba se deparando com muitas brigas, pessoas discutindo e se irritando por causa da política, e eu não quero fazer parte disso. Por isso, cuido do meu bem-estar — diz a consultora de imagem, que afirma até dormir melhor após o atendimento.

No SPA Lavanda Fitness, em São Conrado, o segundo turno está movimentando o local com ainda mais intensidade que o primeiro. O diretor comercial do estabelecimento percebeu um aumento de 25% na procura pelos serviços.

— Notamos também um aumento nas queixas de dores na região cervical, bem características de estresse — diz.