Na volta de Rosa Magalhães, Imperatriz tenta resgatar tempos de luxo e glória com homenagem ao carnavalesco Arlindo Rodrigues

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·4 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Após o título no Grupo de Acesso e o retorno à elite do carnaval carioca, a Imperatriz Leopoldinense pretende resgatar as suas tradições ao homenagear o carnavalesco Arlindo Rodrigues com o enredo "Meninos eu vivi… Onde canta o sabiá, onde cantam Dalva e Lamartine”. O artista, um dos mais celebrados do carnaval, foi o responsável por assinar desfiles da escola nos anos 1980, garantindo à verde e branco dois títulos: em 1980 e 1981. E para desenvolver essa celebração, a escola trouxe de volta outra campeã, a carnavalesca Rosa Magalhães, que retorna à agremiação após 11 anos.

A expectiva da agremiação da rainha de bateria Iza, que faz sua estreia no posto de majestade no Grupo Especial, se justifica: Rosa esteve em cinco dos oito títulos da escola.

— O enredo foi um antigo pedido do Luizinho Drumond (ex-presidente e patrono da escola). Eles eram muito amigos e Seu Luizinho fez questão de trazer a Rosa de volta para desenvolver esse trabalho. Então, a presidente Cátia Drumond decidiu realizar o último desejo do pai — diz Bruno de Oliveira, assistente da carnavalesca Rosa Magalhães.

O enredo sobre Arlindo pretende mostrar a vida do cenógrafo e figurinista e sua chegada no carnaval em 1960, no Acadêmicos do Salgueiro, dando já no primeiro ano a vitória para a vermelho e branco da Tijuca. Arlindo também foi o responsável pelo primeiro título da Imperatriz no Grupo Especial, em 1980. A verde e branco já era conhecida, mas foi com a passagem do carnavalesco que ela ganhou notoriedade.

Em 1987, o enredo "Estrela Dalva" foi o último assinado pelo carnavalesco, que morreu em outubro do mesmo ano. Seu último desfile deu à escola o sexto lugar. De acordo com o assistente da carnavalesca, o desfile da Imperatriz será repleto de homenagens e referências a Arlindo. A escola aposta em um carnaval mais poético e retrô, com as cores e a textura dos materiais utilizados pelo homenageado em fantasias e alegorias. A inspiração partiu de quatro desfiles marcantes assinados por Arlindo: Salgueiro de 1971, Mocidade em 1979 e na Imperatriz em 1980 e 81.

Para contar um pouco da trajetória de Arlindo, a escola pretende fazer uma releitura de seus carnavais e, para isso, não está economizando em materiais que foram muito utilizados pelo ex-carnavalesco. O branco o prato e o ouro estarão muito presentes durante o desfile.

— Vamos usar muito acetato, PET espelhado, renda, festão de Natal, ráfia de sopro, fitas metalizadas. Naquela época, as escolas usavam muito adereço de mão. E a Rosa, que trabalhou com ele e foi rival do Arlindo, tem um estilo bem parecido. Ela é a carnavalesca mais indicada para retratar os desfiles dele — relata o assistente Bruno Oliveira.

A Imperatriz Leopoldinense é a primeira escola a desfilar neste Carnaval, no dia 22 de abril.

"Meninos eu vivi... Onde canta o sabiá, Onde cantam Dalva & Lamartine"

Autor: Gabriel Melo

Intérpretes: Arthur Franco e Bruno Ribas

Eu ainda era menino
À luz de um nobre destino
O dom de tocar corações
E você era menina, suspirando poesias
Entre versos e estações
Quando a mão do grande professor
Nosso caminho em ouro enfeitou
Fui da ribalta à Avenida
Você tão linda foi cenário de amor (lá, lá, lá, lá, lá, lauê)
Fiz da orquestra da folia
O manequim das fantasias
Que João noutro tempo rasgou

Pega na saia rendada… pra ver o que eu vi!
Espelho da raça encarnada… Xica e Zumbi!
E descobrir novos Brasis na identidade
Canta, Salgueiro, ô, salve a Mocidade!

Lembro que o Imperador
Me levou pra ser rei em sua Assíria
Amanheceu e nós dois
Fomos uma só voz no altar da Bahia
Brilhei… neste palco iluminado
Dancei… Sabiá cantou meu apogeu
Numa derradeira serenata

Sonhei com Dalva e fui morar com Deus

Seu samba nascendo no morro
Ecoa do povo e ressoa no céu
Desperto em seus braços de novo
No mais belo traço da flor no papel
Se a saudade é certeza
Um dia a tristeza será cicatriz
Eterna seja! Amada Imperatriz!

Vem me encantar!
Volta pro seu lugar!
Seu manto é meu bem-querer
E lá do alto o Pai Maior mandou dizer
Quem viveu pra te amar, seguirá com você

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos