'Nada vai mudar o que vou fazer', disse jovem que tatuou nome na ex

Jovem tatuou o próprio nome no rosto da ex-namorada. Foto: Getty Images.
Jovem tatuou o próprio nome no rosto da ex-namorada. Foto: Getty Images.
  • Suspeito trocou mensagens com a mãe da vítima

  • Jovem tatuou próprio nome à força no rosto da ex-namorada

  • Ele foi preso em flagrante

O jovem acusado de ter tatuado o próprio nome na testa da ex-namorada em Taubaté, no interior de São Paulo, teria dito para a mãe da vítima: "Nada vai mudar o que vou fazer". Ele foi preso no último sábado (21) por descumprir uma medida protetiva que o impedia de se aproximar da ex.

A fala foi feita em áudio e compartilhada por Débora Velloso Moreira, a mãe da vítima, com o portal UOL. De acordo com ela, a troca de mensagens aconteceu há mais ou menos um mês.

"Por favor, tô pedindo. Para com isso. Você já bateu muito nela. Eu sei tudo o que você fez, sei de todas as ameças", escreveu a mãe no WhatsApp para o ex-genro.

"Dona Débora, para de mandar mensagem para mim, por favor. Nada do que você falar ou deixar de falar vai mudar o que eu vou fazer. Fechou? É isso aí. Forte abraço", disse o suspeito em áudio.

"Você a vida inteira bateu nela", escreveu a mãe. "Corta o papinho", ele respondeu.

"[Nome da vítima] não quer mais. É só você aceitar e viver", disse a mãe.

"Devia ter pensado em tudo antes de fazer o que fez", continuou o interlocutor. Depois, ele diz para Débora e o marido o esperarem na porta de casa: "Fala pro seu marido ficar aí na frente. Não quero ver crianças nem as meninas aí. Só você e seu marido".

Segundo Débora, o ex-namorado da filha ameaçava a família para que a jovem mantivesse o relacionamento.

Entenda o caso

Uma jovem de 18 anos de Taubaté teve o rosto tatuado à força com o nome do ex-namorado, contra quem já tinha duas medidas protetivas, uma de 2021 e outra de 2022. O rapaz, de aproximadamente 20 anos, tinha um conturbado histórico de relacionamento com a garota.

De acordo com Deborah Velloso, mãe da vítima, a filha não apareceu em casa depois da aula, na noite de sexta-feira (20), quando ela então registrou um boletim de ocorrência no site da polícia. Na manhã de ontem (21), com a filha ainda desaparecida, Deborah resolveu ir até a rua onde o rapaz residia, encontrando a filha dentro do carro do agressor.

"Ela está com o olho roxo. E ele a forçou a gravar um vídeo autorizando a tatuagem. Minha filha falou que gravou com medo de algo pior acontecer", afirmou ao portal UOL. "Tenho medo do que possa acontecer com minha família caso ele seja solto pela justiça".

A mãe afirma que o relacionamento dos dois começou em 2019. "No começo, ele era um rapaz bom. Mas, após um ano de namoro começaram as crises de ciúme até que, no início de 2020, ocorreu a primeira agressão. Desde então luto para distanciar os dois", disse.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos