Nadadora olímpica revela violência física e abuso sexual por parte do pai

·1 min de leitura

A nadadora húngara Liliana Szilágyi, de 25 anos, publicou em suas redes sociais um depoimento que revela abusos psicológicos, físicos e sexuais praticados por seu pai desde a infância. Liliana disputou duas edições dos Jogos Olímpicos (Londres-2012 e Rio-2016), mas ano passado deu um tempo na carreira e desistiu de Tóquio-2020 por questões pessoais.

"Depois de tanta dor e luta, decidi falar de um tema necessário. Um homem de quem eu deveria receber amor e carinho abusou de mim. Meu pai me abusou. Fisicamente, espiritualmente e sexualmente. Desde que eu era menina, de forma constante e imprevisível, seja com castigo corporal, intimidação, privação de amor e atenção ou abuso sexual", contou a nadadora em publicação no seu Instagram na quinta-feira.

A nadadora relatou que a mãe também sofria violência doméstica desde antes do nascimento de Liliana. O pai da atleta, Zoltán Szilagyi, de 54 anos, também foi nadador. Ele integrou as equipes de natação da Hungria em Seul-1988, Barcelona-1992 e Sydney-2000, além de ter treinado a filha.

"Eu teria aceitado qualquer coisa para aceitar amor, até que me dei conta de que era uma ilusão. [O pai] golpeava a minha mãe diante de meus olhos quando ela estava grávida ou se eu não conseguia o resultado que ele queria. Eu era apenas um instrumento, uma marionete", diz a atleta.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos