Naiara Azevedo explica encontro com Bolsonaro no BBB 22 e relembra críticas

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 13.03.2018 - Retrato da cantora sertaneja Naiara Azevedo no hotel Nobile Dowtown, em São Paulo. (Foto: Gabriel Cabral/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 13.03.2018 - Retrato da cantora sertaneja Naiara Azevedo no hotel Nobile Dowtown, em São Paulo. (Foto: Gabriel Cabral/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Naiara Azevedo resolveu esclarecer um ponto polêmico de sua biografia durante conversa com Jessilane e Natália no BBB 22 (Globo). A cantora falou sobre o encontro que teve com o presidente Jair Bolsonaro (atualmente no PL), que foi motivo de muitas críticas nas redes sociais.

No entanto, ela afirmou que o evento, que contou com a participação de outros artistas e foi realizado em janeiro de 2021, não foi uma demonstração de apoio ao político. A cantora disse que resolveu participar para cobrar apoio ao setor cultural durante a pandemia.

"Não fui a reunião, não fui a churrasco, almoço para fazer nada com governante", contou. "Fui para ouvir e saber dos meus direitos. Eu como cidadã tenho direito de saber o que acontece e não julgar quem for, porque eu não tenho o direito de julgar ninguém. Você que é cidadão, tem que ir atrás do candidato."

A cantora também disse que a participação foi motivada pela situação das pessoas que trabalhavam com ela. "As pessoas que dependem de mim, todo mundo me cobrando uma posição", relatou. "A culpa não é minha. Eu fui [ao encontro] em busca de apoio como cidadã e parte interessada."

Naiara, aliás, está passando por maus bocados nesta primeira semana de programa. A cantora foi uma das escolhidas pelo Anjo da semana, Rodrigo, para pagar o Castigo do Monstro. Por conta disso, ela precisa se revezar com Eliezer em uma praça montada no jardim da casa, vestida de orelhão.

Neste sábado (22), ela acabou chorando no quarto ao relatar exaustão. "Estou tentando descansar e a porta bate, a buzina toca, as pessoas conversam", reclamou. "E eu estou tentando entender isso, porque são 17, 19 pessoas convivendo... Mas não deixa de me incomodar, muito."

Antes, ela já havia relatado ao amigo Tiago Abravanel que tem se sentido rejeitada pelos demais participantes. A cantora chegou a pedir para conversar com o atendimento psicológico disponível na casa.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos