Naja que impulsionou investigação de tráfico de animais no DF ganha perfil de memes

·1 minuto de leitura

A naja que veio parar no Brasil misteriosamente e tornou-se famosa no país após picar um estudante de medicina veterinária no Distrito Federal serviu de inspiração para um perfil humorístico no Twitter. A conta @najaoriginal já possui quase 45 mil seguidores. As brincadeiras são feitas como se a própria cobra — agora resgatada de seu cativeiro — tivesse também a língua solta para opinar na rede social. O jovem de 22 anos envenado pela cobra chegou a ficar em coma, mas já recuperou a consciência e recebeu alta nesta segunda-feira, dia 13. Ele estava internado no Hospital Maria Auxiliadora, no Gama.

Os memes do perfil que viralizou no Twitter variam de posts que criam um paralelo com a novela "Salve Jorge", da TV Globo, cujo roteiro contava a história de Morena, uma jovem sonhadora que caiu num golpe de tráfico internacional de mulheres, mas conseguiu contornar os vilões e retornar para sua família e seu amado no Rio de Janeiro.

Essas publicações, portanto, resumem o que pode ter acontecido com a naja, considerando que ela não pertence à fauna brasileira e tem como origem a África e a Ásia. Por isso, ela e as outras 16 cobras exóticas envolvidas na mesma situação, que foram localizadas pelas autoridades do Distrito Federal na última semana, deram o ponto de partida para uma investigação sobre tráfico de animais. A Polícia Civil do DF disse, nesta segunda-feira, que duas unidades estão apurando este caso.

Outras postagens, por sua vez, fazem referências a cobras que ficaram conhecidas na ficção nacional, como uma serpente personagem do "Castelo Rá-Tim-Bum", programa de TV famoso nos anos 1990.

O perfil zoou inclusive a tamanha fama conquistada pelo caso, que conquistou destaque na mídia.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos